Textos atravessam vida criativa de Kafka

As Narrativas do Espólio, como de restotoda a obra de Franz Kafka que chegou até nós, trazem aintermediação essencial de Max Brod, o amigo e testamenteiro quetraiu seus últimos desejos e, em vez de destruir seusmanuscritos, como Kafka desejou antes de morrer em 1924, ossalvou. Também esses 31 relatos, que vão da fábula à paródia, doépico ao aforismo, foram selecionados por Brod por lhe pareceremformalmente resolvidos, em meio a um vasto espólio de textosincompletos, rascunhos e fragmentos, deixados ao lado de doistestamentos.Mais que resolvidos, são textos que trazem as marcas damão seca de Kafka e impressionam pela aspereza e brutalidade,nada devendo ao estilo duro - hoje dito kafkiano - dos grandesromances como O Processo e O Castelo. Basta tomar comoexemplo uma narrativa de oito linhas como Pequena Fábula que, sem gastar palavras inúteis e com o poder de condensação de umpesadelo, desvela a face brutal da amabilidade.Embora tenha começado a escrever seus textos realmenteimportantes em 1912 - segundo Carone, a fronteira entre opré-Kafka e o Kafka realmente kafkiano está em O Veredito,desse ano - mesmo no início de 1913, um ano antes, portanto, daprimeira das narrativas agora traduzidas, Kafka ainda nãoexistia como escritor. Tinha se limitado a ler os originais deA Metamorfose, que viria a ser seu livro mais conhecido,para o amigo Brod. Andava desgostoso, pois havia proposto aoeditor Kurt Wolff, sem sucesso, que os editasse, ao lado de OFoguista e de A Condenada, compondo um único volume.Kafka ainda lutava para existir - e, na verdade, pareceu viverassim, com um forte sentimento de mutilação, até o fim de seusdias. O desejo de que sua obra viesse a ser destruída pode serinterpretado, hoje, como um reconhecimento dessa luta, que elesupunha sempre fracassada.Combate - No ano de 1914, Kafka lê para Brod o primeirocapítulo de um novo romance, O Processo. Em 1916, fará umaprimeira leitura pública de A Colônia Penal. No ano seguinte, particularmente fértil, escreverá nada menos que 14 contos -que compõem o miolo do livro agora traduzido para o portuguêspor Modesto Carone. Narrativas, na verdade, que ilustram não sóo nascimento, mas o combate de um escritor para quem escrevernão era nada fácil e se fazia, muitas vezes, a despeito dele.Apesar disso, só a literatura lhe importava, certeza manifestana célebre frase: "Tudo o que não é literatura me aborrece."Essas Narrativas do Espólio, portanto, atravessamtoda a vida criativa de Kafka, dos primeiros acertos à mortefísica, e, se costumam ser desprezadas quando em contraste comos livros célebres, servem como um "negativo", sucinto efrontal, de um grande talento. Em seu posfácio, Modesto Caroneafirma que "elas garantiriam a Kafka, por si sós, um lugarprivilegiado na literatura mundial", no que não há exagero. Masapenas a constatação de grandeza de Franz Kafka, um escritor quenão precisou dos grandes livros nem da glória em vida, para seimpor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.