Texto final de Plínio Marcos deixa o baú e vai ao palco

Eles se conheceram em 1969, na fila de inscrição para os exames vestibulares da Escola de Comunicações e Artes da USP. Passaram e se tornaram amigos. A parceria célebre aconteceu em 74, com a montagem de Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams, em que o diretor Kiko Jaess dirigiu Nuno Leal Maia, ao lado de Eva Wilma, Pepita Rodrigues e Ednei Giovenazzi.Agora diretor e ator estão novamente juntos para levar à cena dois textos inéditos de autores nacionais: A Dança Final, do dramaturgo Plínio Marcos, escrito em 1994; e Inimigos Íntimos, comédia sobre as confusões sexuais de um casal, de autoria do roteirista Paulo Duarte. Com previsões de estréia em abril e junho, respectivamente, os projetos estão em fase de captação de recursos."A obra de Plínio está sendo resgatada menos por sua morte, em 99, e mais pela grande atualidade de suas peças", opina Kiko Jaess, diretor de Oh Calcutta! , entre outras. Para ele, A Dança Final, última peça de Plínio, faz uma crítica contundente à moral aburguesada da classe média, desanimada pelo que acontece na economia, pela violência, pela política. Jaess lembra que Plínio, de nascimento e infância pobres, escreveu esse texto em sua última fase de vida, quando, casado com a jornalista Vera Artaxo, morou em Higienópolis, bairro de classe média de São Paulo. "O que é interessa é que ele nunca se deixou contaminar por essa sociedade; ao contrário, aprimorou sua visão crítica precisa", completa Jaess.Peça de um ato, a pequena comédia dramática explora a relação conflituosa de Menezes, de 60 anos, e sua mulher Lisa, de 50. Impotente e sem tratamento que consiga curá-lo, Menezes deposita toda sua raiva na mulher. Ela contemporiza no primeiro quadro: "Isso é uma fase. Estafa." Ele responde: "Fase? Seis noites seguidas que eu te procuro. E é só vexame." E mais adiante: "Eu perdi a alegria de viver... a coragem... a fé em mim mesmo."Quando leu o texto, Nuno Leal Maia, de 55 anos, galã das novelas da TV Globo, gostou de ver questões como o sexo no casamento colocadas sob a ótica da impotência. "Esse assunto começou a ser discutido mais abertamente pela sociedade brasileira. Não se pode esquecer que se vive hoje a busca da solução do problema pelo Viagra, mas o texto, de 94, antevê as primeiras discussões sobre o problema", diz o ator, que grava atualmente cenas do seriado televisivo O Quinto dos Infernos.Para o papel de Lisa foi convidada a atriz Aldine Müller, de 47 anos. "Pela primeira vez, vou fazer uma personagem completamente desglamourizada. Lisa é uma dona de casa comum, despida de sensualidade. Tudo o que ela quer é a felicidade do ninhozinho", diz a atriz, que ficou conhecida no mundo artístico como a "rainha da pornochanchada" e na televisão por desenvolver sempre "personagens peruas e más".A Dança Final tem produção orçada em R$ 120 mil. Não tem patrocínio, mas o elenco pretende começar os ensaios em menos de um mês, no Teatro Itália, onde a peça vai estrear. Os interessados devem entrar em contato com o produtor e captador Rogério Kihara, no telefone (0--11) 5084-2155.Inimigos Íntimos - De autoria do roteirista Paulo Duarte, autor de episódios para os seriados Malhação, Você Decide e Sai de Baixo!, da TV Globo, Inimigos Íntimos retrata as confusões de um casal, ele um professor de matemática, ela uma aspirante à carreira de atriz, que resolve viver uma situação sexual inédita para sair da rotina sexual. "É mais um texto com temática bastante atual e tratado sob um ponto de vista cômico", atesta Jaess. Para o projeto, foram convidados além de Nuno Leal Maia, os atores Silvinha Faro, Marta Conde e Marco Enzo."Minha personagem é Bia, uma hippie de 21 anos, que mora com Pepê (Nuno), de 50. Eles conheceram um casal pela Internet e propõem uma troca de casais, que vai acabar em muita confusão", diz Silvinha Faro, que além dos trabalhos como atriz de teatro, foi VJ do programa Soda Pop, da MTV."Esse é o tipo de peça que já na leitura a gente ri muito", garante Nuno. O projeto Inimigos Íntimos está orçado em R$ 497 mil, divididos em quatro cotas. Os contatos devem ser feitos com a produtora Denise H. Souza, pelo telefone (0--11) 9737-1063.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.