Testemunha diz que motorista de Diana 'dirigiu como louco'

O motorista que levou a princesa Dianae seu namorado Dodi al Fayed em seu último e fatal trajeto decarro estava dirigindo "como um maníaco" no dia em que elesmorreram, disse uma testemunha na terça-feira durante oinquérito que apura as causas da morte do casal. "Henri Paul quase nos matou. Ele dirigia muito, muitorapidamente demais, com muita imprudência", disse a terapeutaholística Myriah Daniels, que voltou de avião para Paris comDodi e Diana depois das férias passadas num iate noMediterrâneo em agosto de 1997. "Ele era uma droga de motorista, e essa é a verdade", disseDaniels, que foi buscada por Henri Paul no aeroporto de LeBourget, em Paris. Paul estava ao volante da limusine na noiteem que Dodi e Diana morreram numa colisão do veículo num túnelde Paris. "Eu estava num Range Rover dirigido por Henri Paul", contoua terapeuta. "Eu poderia ter morrido. Acreditei plenamente quenão sairia viva daquele trajeto." "Ele estava dirigindo como maníaco no meio do trânsito,"disse ela ao tribunal. O inquérito, previsto para durar até seis meses, foi abertoapós a conclusão das investigações das polícias britânica efrancesa. Ambas concluíram que Diana e Dodi morreram porque HenriPaul estava embriagado e dirigiu em velocidade excessiva. Daniels, que tratou Diana dias antes da morte da princesa,disse que Diana definitivamente não estava grávida quandomorreu. O pai de Dodi, Mohamed al Fayed, proprietário da loja deluxo londrina Harrods, diz que Diana e seu filho foram mortospelos serviços de segurança britânicos, agindo a mando dePhilip, marido da rainha Elizabeth e pai do ex-marido de Diana,o príncipe Charles. Fayed alega que as mortes teriam sido ordenadas porque afamília real não queria que a mãe do futuro rei tivesse umfilho do filho dele, Fayed. Ele alega que o corpo de Diana foiembalsamado para ocultar as evidências de sua gravidez. A terapeuta holística americana, que tratou Diana no iateda família Al Fayed durante o cruzeiro de Dodi e Diana noMediterrâneo, disse: "Ela não estava grávida. Isso é certo." "Eu a estava massageando para aliviar a cólica, e elaestava sangrando (menstruada) enquanto eu a massageava", disseDaniels. Sem entrar em maiores detalhes, ela concluiu: "Será quepodemos dar a ela um pouco de respeito e privacidade?" Para a terapeuta, Dodi e Diana viviam o primeiro momento deuma paixão. "Ninguém jamais saberá se eles teriam se casado. Ainda eracedo para isso. Eles tinham acabado de se conhecer. Estavamcurtindo conhecer um ao outro."

PAUL MAJENDIE, REUTERS

18 de dezembro de 2007 | 15h16

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEDIANAMOTORISTAMANIACO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.