Teste para "Grease" movimenta SP

Mais do que o sonho de reviver ospersonagens interpretados por Olivia Newton-John e John Travoltaem Grease - Nos Tempos da Brilhantina, filme que fez sucessono mundo todo em 1978, a busca por emprego e reconhecimentolevou cerca de 500 pessoas, quarta e quinta-feira no HotelHilton, a passar pela primeira fase de testes que selecionamintérpretes para a versão brasileira do musical. Grease deveestrear em março nos palcos de São Paulo e movimentar US$ 1, 5milhão. O investimento é alto, a produção promete ser grandiosae pretende repetir o sucesso conquistado na cidade por LesMisérables e A Bela e a Fera. "Esse é um dos musicaismais vistos fora do Brasil e atinge pessoas de diferentesidades", afirma o produtor José Pando. "É um programa leve,que agrada a todos." A versão brasileira de Grease está sobresponsabilidade das produtoras Brazilian Spotlights e AsaProduções Culturais. "Estamos entrando nesse mercado ainda novono Brasil, o dos musicais, mas que teve grandes produções.Precisávamos escolher um espetáculo de destaque, com qualidade,daí Grease", diz Pando. Pela primeira vez toda a produção éconduzida por brasileiros e supervisionada pela produtora deRonald Tast, detentor dos direitos. Todas as etapas, inclusiveos testes, foram gravados e serão encaminhados para a produtoraem Los Angeles. Para selecionar e coordenar os 34 intérpretes, que serãodefinidos após três etapas de testes, foram escalados CristinaTrevisan como diretora de atores, Rudy Arnaut como diretormusical e a coreógrafa Rosely Fiorelli. Eles ficaram reunidosdurante 12 horas seguidas para avaliar cada candidato. "Temosum compromisso de qualidade e a escolha será rigorosa. O Brasilpossui grandes talentos e abrimos espaço para eles. Estamosdispostos a aprender com a escola norte-americana, mas daremosuma leve pintura brasileira", comenta Cristina. Teste - Munidos com currículo, fotos e duas partituras,jovens atores, bailarinos e cantores aguardaram, durante todo odia, na longa fila que se formou ao redor do Hotel Hilton. Umgrupo eclético, com um objetivo único, o de conquistar umemprego. Durante a espera, um misto de ansiedade e curiosidade. Grupos soltavam a voz e os hits Summer Nights e Sandy,conhecidos por quem já viu o filme, ecoavam pela rua. Meninasmaquiavam-se sentadas na calçada. Um dos primeiros da fila, Tom Janusz, ensaiava suapartitura, preocupado em não desafinar. "Essa é uma grandeoportunidade. Sou eclético, fiz aulas de canto na Oficina Oswaldde Andrade, jazz com Roseli Rodrigues do Grupo Raça e atuei emdiversas peças, como O Assassinato do Anão, de Plínio Marcos" conta. Maíra Carneiro veio do Rio especialmente para o teste."O palco foi minha casa, sempre cantei, atualmente estou naBlitz e recentemente participei do Pop Stars", lembraconfiante. A paixão por musicais levou Giovani Salmeron a tentaruma vaga. Estudante de artes plásticas da USP, Salmeron contaque chegou à fase final de O Dilúvio. "Eles exigiam forçafísica, coisa que de fato eu não tenho, por isso não passei.Sempre amei musicais, tenho de cor várias canções, estudei cantono Coral da USP, essa é a minha base." O ímpeto por pisar em umpalco trouxe a maquiadora e atriz Patrícia Araújo de Curitibapara São Paulo. "Nunca fiz um teste como esse, não tenhoesperanças, apenas estou seguindo os impulsos do meu coração."O brilho da fama atraiu as bailarinas Lucimar de Souza Castro eCintia Gusson. "Trabalho com Wanessa Camargo, quero ampliarminha forma de atuação. É difícil sobreviver apenas da dança."E Cintia completa: "O musical abre as portas para outras áreas,como o canto e interpretação, o que é muito bom para umartista." Atores experientes como Paulo Goulart Filho e SérgioRuffino também marcaram presença nos testes. "Essa é umaoportunidade de trabalho. Não dá para ficar em casa esperandopor emprego, isso não leva a nada. Os musicais estão, finalmente ganhando espaço no País, essa é uma grande produção, comexpectativa de muito sucesso", afirma Goulart. Para Ruffino, Grease marcou toda uma geração eparticipar do processo de seleção é um fato importante. O atorfoi indicado para o Prêmio Shell por atuar como Geni, em Óperado Malandro, dirigido por Gabriel Vilela. "A produção é muitoorganizada e cuidadosa; neste caso, o fato de ter feito umanovela não tem relevância. O próprio espetáculo é a grandeestrela, o brilho não está nos atores." Paula Capovila, com experiência de sobra em musicais -atuou em "Les Misérables" e Godspell -, foi a quartacandidata a ser avaliada pela banca. Grease é um clássico,entrou para a história e fez muita gente sonhar em ser a OliviaNewton-John ou o Travolta." Paula trocou o canto lírico, emBrasília, pelos musicais de São Paulo. "Algumas pessoas mecondenam, para mim é uma maneira diferente de trabalhar." Outracandidata, Marjori, também com experiências em musicais,demonstrou segurança quando cantou e dançou para a banca.Osresultados da primeira fase saem no dia 20 e, a partir dasegunda semana de janeiro, a produção dá início à segundaetapa. Olivia Newton- John e John Travolta, ao centro, em cena do filme que originou o musical

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.