Terror brasileiro se renova e rende estudos

Se Rec2 - Possuídos é uma das provas de que o horror nunca sai de moda, Dennison Ramalho é a prova de que o horror brasileiro também resiste. Símbolo da nova geração do "horror nacional", Dennison dirigiu um dos mais comentados curtas de terror nacional dos últimos tempos: Amor Só de Mãe. Na verdade, Amor... já nasceu cult. O curta foi vaiado de pé no Festival de Gramado 2003, desmaiou três pessoas na França e até hoje rende elogios ao diretor gaúcho.

Flavia Guerra, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2010 | 00h00

O trabalho apurado de Dennison para dirigir "filmes de terror adulto" rendeu também reconhecimento inédito. O diretor ganhou uma bolsa de estudos da Comissão Fulbright para cursar mestrado em direção e roteiro na Columbia University em Nova York, uma das mais conceituadas do mundo. Seria esta uma bolsa para o terror brasileiro? Sim e não. Sim porque o roteiro que Dennison enviou à comissão de seleção e à Columbia é de um longa-metragem de horror. E "não" porque Dennison não faz "filmes brasileiros de horror". "Faço filmes de horror. Ponto. Sou brasileiro e o pano de fundo das histórias é o Brasil. Mas filme de horror não tem nacionalidade", comentou ele, que vai passar pelo menos quatro anos em Nova York e tem de concluir o mestrado com um roteiro de longa-metragem.

É óbvio que se tratará de um filme de terror. E que tudo que Dennison mais quer é filmar essa história. "Os roteiros que mandei não só para Columbia mas para outras quatro escolas são de longas que eu já tentei filmar no Brasil, mas nunca consegui. Nunca ganhei um concurso de produção de longa. Mas todas estas escolas, que receberam roteiros diferentes, aprovaram minha inscrição. Pensei: "Meu trabalho deve ter algum valor. Vou vender meu peixe."" E deu certo."

Dennison pode não ter filmado seu primeiro longa, mas já ajudou a trazer de volta às telas o maior mestre do horror nacional. É dele a codireção e o roteiro, em parceria com José Mojica Marins, de Encarnação do Demônio, quarto filme da saga de Zé do Caixão. Encarnação foi a primeira grande produção de Mojica. "É pena que não dialogou tão bem com o público, porque foi feito com muito rigor", comentou.

Já o último filme de Dennison, como já virou tradição, dialoga, e muito, com o público. Ninjas, um conto de terror policial baseado na obra de Marco de Castro, fez várias meninas chorarem no recente Festival de Curtas de São Paulo. Assim como o gênero, goste-se ou não, o importante é que seus filmes não deixam ninguém indiferente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.