"Teresa" é a nova revista de literatura

Capa vermelha e letras idem formando trecho do poema de Manuel Bandeira apresentam a revista assim: "A primeira vez que vi Teresa/ Achei que ela tinha pernas estúpidas/ Achei também que a cara parecia uma perna/ Quando vi Teresa de novo/ Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo/ (Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que "Teresa é a nova revista de literatura brasileira que será lançada na terça, a partir das 19h, no Bar Balcão. Feita pelo programa de pós-graduação em Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo e pela editora 34, a revista conta com seleto conselho editorial, com nomes como Alfredo Bosi, Davi Arrigucci Jr., Roberto Schwarz, Modesto Carone, José Miguel Wisnik, Alcides Villaça, e mais Benedito Nunes, em Belém do Pará, Flora Süssekind, no Rio de Janeiro, entre outros. A edição é feita por Augusto Massi, Wisnik, Fernando Mesquita e João Bandeira. Só pelos nomes já dá para imaginar o gosto do "biscoito fino", como dizia Oswald de Andrade. A revista começa com um longo ensaio de Alfredo Bosi refletindo sobre a história literária, revendo conceitos de Sílvio Romero, Mário de Andrade e Antonio Candido, entre outros estudiosos dessa relação. Um meio parágrafo do autor pode esclarecer um pouco o assunto:"Os escritos de ficção, objeto por excelência de uma história da literatura, são individuações descontínuas do processo cultural. Enquanto individuações, podem exprimir tanto reflexos (espelhamentos) quanto variações, diferenças, distanciamentos, problematizações, rupturas e, no limite, negações das convenções dominantes no seu tempo." Teresa traz um inédito de Mário de Andrade sobre aquarelas de Cícero Dias inspiradas nas danças do Nordeste como o maracatu, as diversas modalidades de bumba-meu-boi, os caboclinhos, e até o frevo e o samba. Há poemas, como um de Arnaldo Antunes impresso em preto sobre papel preto: "abraça o meu abraço e abre aspas e couraça e casca e roupa até a polpa o nervo a voz antes da boca aonde a mesma brasa ilesa siamesa dorme acesa embaixo dágua abraça (...)". E em branco sobre branco vão sendo intercalados entre poemas e ensaios os gravuras do artista Paulo Monteiro. Um texto-homenagem de Augusto Massi ao "Seu Jaime" o livreiro dos livreiros que descobria a raridade das raridades para os estudantes e professores, parte da paisagem dos corredores da faculdade de Letras da USP. Outro, de Otavio Frias Filho sobre Décio de Almeida Prado, crítico teatral do jornal O Estado de S. Paulo, e também criador do Suplemento Literário que marcou a cena cultural do País. Memoriais.Entrevista com o professor da Unicamp Antonio Arnoni Prado, que durante sete anos pesquisou a crítica literária do historiador Sérgio Buarque de Holanda, e fala sobre isso, entre outros temas. Há ensaios de Luiz Roncari sobre Machado de Assis, de Milton Hatoum sobre Eculides da Cunha na Amazônia. E resenhas no final.Teresa - Revista de Literatura Brasileira, 250 págs., R$ 15, publicação semestral do programa de pós-graduação de Literatura Brasileira da USP e da editora 34. Lançamento terça, a partir das 19h, no Bar Balcão, Rua Melo Alves, 150, tel.: 280-4630

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.