Terceira empresa revê contrato com Kate Moss

A marca americana de maquiagem Rimmel anunciou nesta quinta-feira que está revisando a colaboração com a modelo britânica Kate Moss, depois da publicação de fotos que a mostravam consumindo cocaína."A Rimmel está surpresa e insatisfeita com as recentes alegações da imprensa sobre o comportamento de Kate Moss. Estamos revisando seu contrato", declarou um porta-voz da empresa. A marca de maquiagem Rimmel, destinada a adolescentes, é propriedade do grupo americano Coty.Desde quinta-feira, o grupo sueco H&M e a marca britânica Burberry anunciaram a intenção de interromper o trabalho com Kate Moss, de 31 anos. A marca francesa Chanel, mais evasiva, informou que o contrato com Moss termina em outubro e que a empresa não tinha planos de renová-lo. Christian Dior, que também assinou contrato com a modelo, não fez comentários a respeito.O único apoio à modelo até o momento veio do braço internacional da empresa de jóias H. Stern, de origem brasileira, que informou que manterá o contrato com Kate Moss."Contratamos Kate Moss não por seus maus hábitos, e sim por sua beleza. Sua vida privada não nos interessa", afirmou à AFP uma porta-voz da H. Stern em Tel Aviv. "Continuamos a campanha com esta estrela com base em um contrato assinado com nossos agentes em Paris, válido até o final de 2005", acrescentou a porta-voz, que se negou a divulgar detalhes sobre o valor do contrato.A polícia britânica anunciou na terça-feira a abertura de uma investigação sobre Moss e seu suposto vício em drogas. O chefe da Scotland Yard, Ian Blair, declarou na quarta-feira que se envolveu pessoalmente na decisão de iniciar o inquérito, por temer o impacto deste tipo de comportamento nos jovens influenciáveis.Kate Moss, mãe de uma menina de dois anos, Lila Grace, disse há dois anos que não se drogava mais. Depois de levar uma vida agitada durante anos, em 1998 Kate passou um período na clínica particular Priory, utilizada por muitos famosos. A modelo não fez comentários públicos desde a publicação de várias fotos na imprensa nas quais aparecia cheirando cocaína.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.