Terças de Dança apresenta cinco performances em SP

O Terças de Dança é um evento do Estúdio Nova Dança que abre espaço para bailarinos e coreógrafos tanto aqueles mais jovens quanto os mais experientes, mostrarem o seu trabalho. A idéia é dar chances a novas experiênciascênicas, assim como fomentar a troca de informações entre artistas e público.Em virtude do racionamento de energia, o Terças passou aser realizado uma vez por mês no Estúdio Nova Dança, em SãoPaulo, sempre às 21h30. Esta noite será premiada com cincoperformances. A primeira é Quase Par, um solo interpretado econcebido por Eugênio Bruck e dirigido por Sabrina Cunha. O temacentral é o homem apaixonado; as histórias de amor presentes daantigüidade até os dias de hoje.Quase Par foi inspirada no romance Os Sofrimentosdo Jovem Werther, romance de Goethe sobre o amor de Werther,personagem central, por Lotte. A coreografia baseia-se no amortrágico não concretizado, o que para os criadores significa apresença de um homem incompleto. A movimentação foi criada porimprovisações inspirada nos sentimentos, possui um tom cômico enuances teatrais.Seguindo por outro caminho sem, no entanto,distanciar-se da improvisação, a bailarina Gícia Amorimapresenta duas coreografias. Untitled, conta com a presençadas bailarinas Fabíola Camargo, Maria Jorge, Silvia Gaspar,Sheila Amarante e Telma ShuÏa. Ao som de composições de FlôMenezes, as meninas desenvolvem todos os gestos a partir dasidéias do coreógrafo americano Merce Cunningham. A concepção deCunningham sobre a dança mudou a maneira de pensar a relaçãoentre ações, espaço, cenário e figurino no palco.Para Cunningham muitos atos ocorrem simultaneamente e atodo o momento, sem, no entanto, haver um elo que ligue cada umdeles. Diante dessa constatação, ele passou a comporcoreografias marcadas pelo acaso. "Há uma série de movimentosjá definidos, que são sorteados entre os bailarinos. A música eos demais elementos presentes no espaço cênico são independentesda dança", explica Gícia.A bailarina e coreógrafa, que fez estágios na Companhiade Cunningham entre 1993 e 1996, agora faz a ponte entre ospensamentos e concepções do norte-americano com os brasileiros.E pretende ir além: "A minha proposta é desenvolver novastécnicas e visões a partir daquilo que aprendi nos EstadosUnidos", planeja. Essa proposta pode ser confirmada em Solo.Gilza, de Kleber Damaso com Gica Alioto, trata a dançapelo processo criativo. Destaca a percepção dos intérpretes.Para encerrar a noite, a dupla volta à cena com QualquerPalavra Serve. Um trabalho não linear que fala sobre afragilidade das relações humanas nos centros urbanos. Odistanciamento e a frieza entre as pessoas marcam presença nessacoreografia.Terças de Dança. Amanhã, às 21h30. R$ 5,00.Estúdio Nova Dança. Rua 13 de Maio, 240, em São Paulo, tel. (11)231-3719.

Agencia Estado,

29 de outubro de 2001 | 15h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.