Tente outra vez

Coprodução Brasil e Espanha conta saga do garoto que não desistiu de seu sonho

FLAVIA GUERRA / RIO, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2013 | 02h16

Mundialmente conhecido, Paulo Coelho é o escritor vivo que mais vende no mundo (100 milhões de cópias). Traduzido para dezenas de línguas, tem três de seus livros prestes a se tornarem filmes de Hollywood. No entanto, pode-se dizer que não se sabe muito de sua vida privada. "Este filme conta a vida dele antes da fama, traz fatos que muitos não conhecem e retrata não a figura pública, mas o lado humano. Vai revelar o quanto ele nunca, mesmo com todas as circunstâncias, desistiu de ser escritor", conta o diretor Daniel Augusto. "Paulo diz no posfácio de As Valquírias que as duas coisas que forjaram o ser humano que ele é hoje foram o choque elétrico que tomou quando era adolescente, quando seus pais, que não o compreendiam, o mandaram para se tratar com o doutor Vitor Eiras; e a tortura, durante a ditadura militar", completa a produtora brasileira Iona de Macedo. "Paulo era filho de uma família de classe média carioca, seus pais queriam que fosse engenheiro. Ele queria fazer teatro, ser escritor. E não desistiu. É a história de tanta gente, não? Muitos param na pista. Ele não", diz Iona.

Sócia de Carolina Kotscho na Dama Filmes, Iona conheceu o autor durante o Festival de Cinema de Cannes, quando ele fazia pesquisas para O Vencedor Está Só (de 2008), anos antes de Carolina conhecê-lo. "Nos encontramos algumas vezes no festival e sempre conversávamos. Eu o admirava e adorava", relembra Iona. "Um dia, em 2007, conheci a Carol em um evento em Madrid e ela me contou que no dia seguinte iria encontrar Mônica Antunes (agente do escritor) em Barcelona. E que se o papo desse certo, queria jantar comigo", diz Iona. "Deu tanto certo que eu e Mônica passamos seis horas conversando. À noite, jantei com a Iona e decidimos tocar este projeto juntas. É um sonho ver este filho nascer", conta Carolina, que acaba de ter sua primeira filha, a pequena Olga, nascida justamente durante as filmagens de Não Pare na Pista. "Chega a ser engraçado. Não pude ir ao set ver meu projeto ganhar forma, mas é por um ótimo motivo, outro grande projeto", brinca ela, que está acompanhando as filmagens por meio das imagens que Daniel Augusto envia para ela. "Ele é muito talentoso, está fazendo um trabalho maravilhoso", conta a roteirista, que conheceu Augusto em 2001, quando os dois realizaram o programa Zero, para o Multishow.

"Sou muito feliz por poder realizar meu primeiro longa de ficção em parceria com a Carol, alguém que admiro tanto. Filmar a vida de Paulo Coelho é um grande, mas ótimo, desafio", contou o diretor, que tem no currículo filmes como Fordlândia (parceria com Marinho Andrade) e o ótimo curta Porn Karaoke.

Além das parcerias brasileiras de Não Pare na Pista, há boas surpresas no 'lado espanhol' do filme - trata-se de uma coprodução entre Brasil (Dama Filmes) e Espanha (Babel Films). Além da atriz espanhola Paz Vega, há a direção de arte de Antxon Gomez (velho parceiro de Pedro Almodóvar). O longa tem financiamento público brasileiro e espanhol, com investimento privado por meio da G5|Evercore. "80% do filme é brasileiro, 20% é rodado na Espanha. O custo total é R$ 12,5 milhões, dos quais R$4 milhões podem ser captados por meio d Artigo 1A", informa Iona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.