"Tentamos manter o frescor", diz Palmeira

Ainda em cartaz com Villa-Lobos - Uma Vida de Paixão, dirigido por seu pai, Zelito Vianna, Marcos Palmeira se prepara para lançar mais uma produção familiar: "No fim do ano vou a Brasília divulgar Vidas Ligadas, da minha irmã, Betsy de Paula". Até lá, o ator se dedica a um projeto que não tem nada a ver com sua imagem de galã, mas o entusiasma cada vez mais: a chegada aos supermercados do Rio dos hortigranjeiros produzidos em sua fazenda, a Vale das Palmeiras. Numa área de 150 hectares em Teresópolis, na região serrana do Estado, o ator produz, há três anos, rúcula, alface, agrião, brócolis, beterraba, couve-flor e até leite orgânico. "Minha fazenda é biodinâmica. Não uso agrotóxicos e minhas vacas são tratadas com homeopatia", orgulha-se o ator, que recentemente aderiu a uma campanha para coleta de assinaturas contra uma lei que permite desmatar 25% do que ainda resta da Floresta Amazônica. Índio de guarda-florestal "Sou totalmente a favor de tudo o que se possa fazer pela preservação da natureza. Por exemplo, os índios brasileiros: acho que eles deveriam ser utilizados como guardas-florestais, garantindo a preservação das áreas onde vivem e também a própria preservação", aposta ele. Outras idéias são fruto do namoro com Ana Paula Arósio, que também tem uma fazenda no interior de São Paulo e adora bichos. "Seria legal morar no mato", imagina Marcos, ressaltando que é apenas uma idéia, não um plano. "Estamos juntos há pouco tempo, ainda estamos nos conhecendo. E procuramos não planejar muito o que vamos fazer. Ela tem as coisas dela, eu, as minhas. Tentamos manter um certo frescor, se não, vira casamento", diz, a despeito de estar morando junto com a amada praticamente desde que os dois se conheceram.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2000 | 23h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.