Herwig Prammer/Reuters
Herwig Prammer/Reuters

Tennessee, ainda um demolidor

Peças como Baby Doll mostram que a dissolução da família era o seu tema

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2011 | 00h00

A atualidade do dramaturgo Tennessee Williams pode ser medida em seu centenário de nascimento pelo número de remontagens de suas peças em todo o mundo. Só nos EUA, De Repente no Último Verão ganha duas versões nesta temporada (a da Westport Country Playhouse e a do Tenn Cent Festival, dedicado ao autor). E, ao que parece, os diretores contemporâneos descobriram em Baby Doll novas possibilidades de leitura além da comportamental. Estreou no fim do ano, no Volkstheater de Viena, uma nova montagem da peça dirigida por Niels-Peter Rudolph, ex-ator de Fassbinder.

Baby Doll provocou escândalo nos anos 1950, além de atrair a ira da Liga da Decência, ligada à Igreja Católica, por mostrar Carroll Baker (hoje com 80 anos) de camisola curta, chupando o dedo, dormindo num berço e envolvida num triângulo amoroso. O então arcebispo de Nova York, Francis Spellman, simplesmente ameaçou excomungar os fiéis que ousassem ver o filme. Até a Suécia proibiu sua exibição, envolvida pela campanha moralista que a revista Time assumiu, ao classificar Baby Doll como "o filme americano mais sujo já exibido legalmente".

Degradação. Visto hoje, Baby Doll parece inocente, mas o papel de Williams como o dramaturgo que escancarou a sexualidade subterrânea dos americanos foi o de um desbravador. Seus temas variam da ninfomania à castração, passando pela impotência sexual, o fetichismo e a loucura - assuntos associados à degradação do ambiente familiar, experimentada por ele em sua infância dura de homossexual, desprezado pelo pai tirano e perseguido pelos garotos na rua. O teatro de Williams é, de fato, um compêndio de desvios da rota desenhada pelo comportado teatro americano dos anos 1940, quando suas peças começaram a despertar interesse não só pela patologia de seus personagens como pela carga poética que traziam esses dramas.

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também: 

linkCem anos de paixão

video Trechos de filmes baseados em peças do autor 

 

 

 

 

Williams, ao completar 70 anos, definiu-se como um "poeta que coloca poesia no drama". Foi o jeito de usar a tragédia familiar - fonte de inspiração de suas peças mais famosas - num exercício de psicodrama até então inédito no teatro americano. Disse ainda que seu trabalho é "emocionalmente autobiográfico". Depressivo, dependente de álcool e barbitúricos, ele buscou na escrita um refúgio para todas as tristes lembranças do passado, da lobotomia de sua irmã Rose, autorizada pela mãe, ao próprio espancamento num hotel barato por uma dupla de michês marinheiros, que quase tiraram a vida do dramaturgo, passando por um cirurgia de catarata gratuita diante de uma plateia de estudantes, feita nos tempos em que não tinha um tostão no bolso.

Nascido em Columbus, Mississippi, em 26 de março de 1911, Thomas Lander Williams adotou o pseudônimo Tennessee aos 26 anos, em homenagem aos dois anos felizes que passou em Nashville na adolescência. Neto de um pastor do sul do Mississippi, passou a infância mudando de cidade em cidade até chegar a St. Louis, onde a família, já decadente, ocupava um quarto escuro que serviria de inspiração para sua peça À Margem da Vida. Nela, três personagens vivem um inferno familiar semelhante ao da infância do autor, obrigado a sair à rua por não suportar os gritos da mãe quando fazia sexo com o pai. A exemplo de miss Edwina, como gostava de ser chamada sua mãe, a sulista Amanda de À Margem da Vida (The Glass Menagerie, de 1944, também conhecida como Algemas de Cristal) é a figura dominadora e central desse drama. Abandonada pelo marido, sustenta dois filhos, Tom e Laura, que tem um defeito na perna e coleciona bichinhos de cristal, enquanto o irmão se aventura (sexualmente, ao que insinua Williams) em cinemas suspeitos para compensar o sufoco do cotidiano familiar. Pela ordem, Amanda é Miss Edwina, a mãe do dramaturgo, Laura é a irmã Rose e Tom, o próprio Williams.

Família. A família é um peso insuportável em suas peças. Está sempre a um passo da dissolução ou simplesmente já foi à falência. Em Gata em Teto de Zinco Quente (1955), um magnata do algodão do Mississippi tiraniza a vida de seu filho Brick, chantageando-o para engravidar a voluptuosa Maggie, que veio para fulminar a hipocrisia e os falsos valores morais daquela família sulista. Mas Brick, dependente de álcool, é fixado num amigo morto, Skipper, e não consegue suportar a ideia de ter ao lado a mulher que seduziu seu antigo parceiro de jogo (ou de cama).

A homossexualidade, tema espinhoso nos anos 1950, volta a aparecer em De Repente no Último Verão, que incorpora o episódio mais triste da vida de Williams, o da lobotomia de sua irmã Rose, abandonada pelo homem de sua vida. Catherine (Rose), que ronda a insanidade após a morte de seu primo Sebastian numa praia europeia (ele é canibalizado por garotos), é ameaçada de ser lobotomizada a mando da tia Violet, para que essa história não manche seu nome.

Até em sua mais conhecida peça, Um Bonde Chamado Desejo, predomina o tema da família corroída por falsos valores, resumindo a derrocada coletiva da sociedade americana na história de Blanche Dubois, professora de literatura que, sem recursos, é obrigada a morar com a irmã e o cunhado rude. Ninfomaníaca, acaba seus dias num hospício. Como Rose. Para Williams, a arte não imitava a vida. Eram praticamente sinônimos.

 

 

AS 32 PEÇAS

Estas são as 26 peças curtas da coleção da Editora É:

1. 27 Wagons Full of Cotton

2. The Purification

3. The Lady of Larkspur Lotion

4. The Last of My Solid Watches

5. Portrait of a Madonna

6. Auto-da-Fé

7. Lord Byron"s Love Letter

8. Strangest Kind of Romance

9. The Long Goodbye

10. Hello from Bertha

11. This Property is

Condemned

12. Talk to Me Like the Rain...

13. Something Spoken

14. These are the Stairs

You Got to Watch.

15. Mister Paradise

16. The Palooka

17. Escape

18. Why Do You Smoke So Much, Lily?

19. Summer at the Lake

20. The Big Game

21. The Pink Bedroom

22. The Fat Man"s Wife

23. Thank You, Kind Spirit

24. The Municipal Abattoir

25. Adam and Eve on a Ferry

26. And Tell Sad Stories...

As seis peças longas são: Gata em Teto de Zinco Quente, A Noite do Iguana, Orpheus Descending, De Repente no Último Verão, Doce Pássaro da Juventude e À Margem da Vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.