Tempos sombrios e culpas

Katmandu e Outros Contos sintetiza o repertório da obra de Anna Maria Martins

Sérgio Telles, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2011 | 00h00

Reza a lenda que foi a ficcionista Márcia Denser, em uma de suas boas sacadas, quem deu a Anna Maria Martins o título de "arquiduquesa", com o que todos concordamos. O refinamento da escritora evoca idealizadas figuras da alta aristocracia nas quais os séculos depositaram camadas e camadas de civilização. Mas é importante lembrar que sua elegância e a finura não se atêm ao apuro formal no trato com os demais. Brotam de seu interior, decorrentes que são da delicadeza de seus sentimentos.

Se estivéssemos aprisionados num estereótipo, poderíamos temer que os escritos de uma autora com tão gentis traços pessoais pudesse seguir as trilhas da ficção tíbia e convencional. Não é este o caso, pois Anna Maria Martins faz literatura, e da boa, exercendo com perícia a arte do conto. Seus textos fortes e bem articulados fluem com desembaraço, o que não exclui rompimentos surpreendentes da linearidade narrativa. Anna Maria Martins tem uma obra elaborada e pouco extensa. Este Katmandu e Outros Contos traz textos de seu livro homônimo de 1983 e de outros dois volumes - A Trilogia do Emparedado e Sala de Espera. Os 20 contos que ele enfeixa mostram um vasto repertório - do conflito de gerações e de evocações do tempo negro da ditadura a confusões de identidade e culpas enlouquecedoras. São relatos ricos de elipses, subentendidos e insinuações que apelam para a inteligência do leitor, nos quais se detecta o olhar agudo e irônico com o qual a autora constrói as situações vividas por seus personagens.

SÉRGIO TELLES É PSICANALISTA E ESCRITOR, CRONISTA DESTE JORNAL E AUTOR DE PEIXE DE BICICLETA (EDUFSCAR), ENTRE OUTROS

KATMANDU E OUTROS CONTOS

Autora: Anna

Maria Martins

Editora: Global

(187 págs. R$ 33)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.