Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Tem razão

Quando foi que você concordou 100% com alguém? Todas as crenças e atitudes de uma pessoa eram exatamente aquilo que você acreditava? Nunca. Ou melhor, uma vez. Quando você se olhou no espelho. Como você, só você. Não existe possibilidade de estar totalmente de acordo em tudo com outra pessoa no mundo. Mas, então, por que hoje em dia as pessoas cobram tanto isso umas das outras? Seja de um político, de um artista, de um jornalista, não importa, sempre que alguém dá uma opinião, logo surge outro alguém mostrando que essa pessoa tem uma opinião péssima em relação a algum outro assunto, o que invalida completamente essa pessoa de emitir mais algum som.

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2015 | 02h00

O problema é que todos nós somos múltiplos e contraditórios. Eu, você, a Dilma, o Chico Buarque, o papa, Gandhi e a sua mãe. Cada um tem uma opinião para cada assunto específico. E cada um tem a sua razão de achar aquilo. Estando certo ou errado. E é claro que você vai concordar com algumas coisas e discordar de outras. Vivemos num mundo plural, mas ainda pensamos com uma cabeça bilateral. Certo ou errado. Bom ou mau. É ou não é. A questão é que tudo está certo e errado, é bom e mau, é e não é, ao mesmo tempo. E é aí que está a maior dificuldade de todas, para nós, nos dias de hoje. Conseguir ser e não ser, ao mesmo tempo. Eis a questão.

Continuamos a julgar as pessoas somente baseados no “sim e não”, quando no nosso próprio julgamento nos é permitido o “quem sabe, pode ser e talvez”. Temos as nossas razões, as nossas desculpas pessoais para sermos como somos, mas elas são aplicadas exclusivamente a nós mesmos. Os outros têm que ser eticamente perfeitos, sem nenhuma possibilidade de falha ou contradição, mas nós temos o direito de termos as nossas próprias regras.

A maravilha de vivermos em um país democrático é podermos ter e dar as nossas opiniões, mas está havendo uma confusão, porque, ultimamente, está sendo exigido não “ter uma opinião”, mas sim “ter a mesma opinião”. E como seria possível termos a mesma opinião em questões como o aborto, a eutanásia, a liberação das drogas, a pena de morte, a posição política, etc, etc, etc... O que seria do amarelo se todos gostassem do azul? Seria maravilhoso porque EU gosto do azul. E sabe qual é o mais louco? É que, depois de tudo, as pessoas mudam de opinião. O que significa que a sua luta de hoje, pode ser a briga oposta de amanhã. E se eu passar a gostar do amarelo? O que será do azul? Me parece que nada é certo. Nunca foi nem nunca será.

Até outro dia, era um fato consumado que o mundo era quadrado e o Sol girava em torno da Terra. Cuidado com os seus julgamentos. Para alguém, eles sempre serão os piores possíveis, e, para alguém, serão sempre os certeiros. E algum dia, talvez, vice e versa.

Tudo o que sabemos sobre:
Fábio Porchat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.