Telão de cinema do Vivo Open Air volta ao Jockey

Os filmes projetados a céu aberto continuam ser a principal atração do Vivo Open Air - festival que reúne filmes, música, artes plásticas, jogos e gastronomia no Jockey Club de São Paulo. Mas nesta terceira edição do evento - a segunda patrocinada pela Vivo - o cinema terá vários "atores coadjuvantes": os filmes vão dar o tom do festival, mas as outras artes vão seguir a programação em noites temáticas. A programação para o público começa hoje com a exibição do filme Festival Express, de Bob Smeaton, seguido de show do Apollo 9. O longa de Smeaton acompanha a turnê nada convencional que Janis Joplin, Grateful Dead, Buddy Guy fizeram pelo Canadá em 1970 a bordo de um trem."A idéia é de haja unidade entre tudo o que acontece. Antes a música dava certo e o cinema dava certo, mas uma coisa não se comunicava com a outra", explica Joana Braga, da D+3, produtora do evento. "A música tem que estar associada ao cinema, não presa, engessada. Os dois têm que se comunicar." O elo escolhido para ligar as diferente expressões artísticas foi o conceito de sinestesia, "a comunicação dos sentidos, a percepção simultânea de olfato, tato, audição e paladar aqui através das artes". "Antes da exibição de Polyester, por exemplo, os espectadores vão receber uma cartela com cheiros. Durante o filme será sinalizado onde raspar a cartela, que exala um cheiro relativo à cena", diz Joana. Polyester será exibido numa segunda-feira, dia escolhido para filmes bizarros e, por isso, classificado como Strangers in the Night (Estranhos da Noite). Essa divisão dos dias da semana em temas é mais uma novidade, já que em 2004 a programação era aleatória. Terça-feira é dia de pré-estréia nacional. Às quartas poderão ser vistos clássicos do cinema. Às quintas-feiras, pré-estréias internacionais. Às sextas-feiras, serão exibidos ´filmes de tribo´, aqueles que retratam um certo estilo de vida, como o dos surfistas, por exemplo). Sábado é dia de filme "pipoca" e sessão infantil. Os domingos, chamados de ´família´, têm esse nome por causa de filmes como Noviça Rebelde, por exemplo. Essas e outras mudanças surgiram da cabeça dos dois curadores do evento - outra novidade deste ano, Carlos Nader e Rafael Dragaud. "O sucesso do Vivo Open Air como evento de cinema nos deu a oportunidade de ampliar as áreas de interesse e ousar em segmentos como música, artes plásticas e gastronomia", explica Dragaud. Logo na entrada, já vai ser possível entender a proposta dos curadores. Árvores e fumaça servirão de tela para projeções vídeo-cenográficas de Marcello Dantas. Em uma das tendas, três plasmas projetarão simultaneamente (e de diferentes pontos de vista) trabalhos de Isaac Julien, cineasta premiado em Cannes que hoje faz art film. Nos palcos, as Jam Sessions (canjas) dão lugar agora a shows. Todos os artistas - nacionais e internacionais - foram escolhidos por terem trabalhos relacionados com o cinema. Entre as atrações, a banda Los Sebosos Postizos (projeto paralelo dos integrantes do Nação Zumbi) e o DJ Dolores em uma edição especial da ópera-rock Eu e meu guarda-chuva, do titã Branco Mello. Uma coisa, porém, não mudará no Vivo Open Air deste ano: o mega-telão suíço de 282 metros quadrados onde são projetados os filmes. Vivo Open Air SP - De 11 a 31 de março,no Jockey Club - Av. Lineu de Paula Machado 1.263, Cidade Jardim. Ingressos: R$ 36 Veja os filmes que serão exibidos de hoje ao dia 19:Dia 11: Festival Express Dia 12: Os Incríveis e Homem-Aranha 2 Dia 13: A Noviça Rebelde Dia 14: Rocky Horror Picture Show Dia 15: Quase Dois Irmãos Dia 16: Kill Bill: Vol. 1 e Kill Bill: Vol 2 Dia 17: Violação de Privacidade Dia 18: Team America-Detonando o Mundo Dia 19: Pooh e o Elefante * Confira a programação completa pelo telefone: (11) 3031-2030

Agencia Estado,

11 de março de 2005 | 11h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.