EFE/Musei Mohammed Mahmoud Khalil
EFE/Musei Mohammed Mahmoud Khalil

Tela de Van Gogh segue desaparecida; casal italiano é detido

Quadro do pintor ainda não foi recuperado; polícia egípcia desmente que tela estivesse com casal italiano

EFE/AP/Ansa,

22 de agosto de 2010 | 14h31

O quadro Flores de Papoula, do pintor holandês Vincent Van Gogh, ainda não foi recuperado, apesar de o ministro da Cultura egípcio, Farouk Hosni, ter assegurado o contrário, na noite de sábado, informando que um casal italiano tinha sido detido no aeroporto de Cairo quando tentava sair do Egito com a pintura. O Ministério das Relações Exteriores da Itália negou, neste domingo, 22, que algum cidadão do país esteja oficialmente envolvido no furto de um quadro de Van Gogh.

 

Veja também:

lista Conheça os principais roubos de obras de arte

 

"Um italiano e uma italiana foram detidos no aeroporto do Cairo quando tentavam sair do país com o quadro", disse o ministro egípcio a princípio, mas depois se desmentiu falando que o "quadro não apareceu ainda", segundo informou a agência egípcia "Mena"

 

O furto da pintura, avaliada em US$ 50 milhões, ocorreu na manhã de sábado, 21, do Museu Mohammed Mahmoud Khalil, na ribeira oeste do Nilo, disse o titular de Cultura em comunicado divulgado pela assessoria de imprensa de seu Ministério.

 

Hosni anunciou que foi aberta uma investigação administrativa com todos os responsáveis do museu e com os diretores do departamento de Artes Plásticas do Ministério.

 

O museu possui uma das melhores coleções de obras de arte dos séculos 19 e 20, organizada pelo político Mohammed Mahmoud Khalil, que morreu em 1953. Entre as obras do museu estão quadros de Paul Gauguin, Gustave Courbet, François Millet, Claude Monet, Edouard Manet, Auguste Renoir e Auguste Rodin.

 

O prédio é um palácio de grande valor arquitetônico, construído em 1920, onde residiu Mohammed Mahmoud Khalil, destacada figura política e cultural do Egito dos anos 60 e 70.

 

 

Falha na segurança - Falhas na segurança permitiram que o quadro do pintor holandês Vincent van Gogh fosse roubado. Segundo informou Abdel-Meguid Mahmoud, autoridade policial da capital egípcia, nenhum dos alarmes e somente 7 das 43 câmeras de segurança estavam funcionando no sábado, no Museu Mahmoud Khalil quando a pintura foi furtada, o que o fez qualificar a segurança do local como 'superficial'.

 

O ministro da Cultura egípcio disse no sábado que a polícia havia recuperado a tela com um casal de italianos no aeroporto do Cairo, mas depois desmentiu. A tela é conhecida por dois títulos: Flores de Papoula e Vaso com Flores.

 

Segundo furto - Foi a segunda vez que esse quadro de Van Gog foi furtado do museu. A primeira ocorreu em 1978, mas a tela foi recuperada dois anos depois no Kuwait, em um local mantido em segredo. As autoridades nunca revelaram os detalhes completos deste roubo no museu Khalil. Na ocasião, autoridades disseram que três egípcios foram presos e informaram à polícia a localização do quadro. A polícia jamais informou se os ladrões foram acusados ou processados.

 

Van Gogh - O pintor holandês criou em 39 meses a maioria de seus quadros mais famosos, durante um período de hiperatividade pouco antes de se suicidar aos 37 anos, em 1890. Especialistas presumem que o artista tenha pintado Flores de Papoula em 1887. O quadro é importante porque marca uma virada no estilo de pintar de Van Gogh, disse à Associated Press Conor Jordan, chefe de arte impressionista e moderna da casa de leilões Christie's de Nova York.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Van Gog

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.