Tela de Tamayo achada no lixo é leiloada por US$ 1 milhão

Pintura de 1970 era uma das maiores atrações da primeira sessão de vendas de arte latino-americana

Efe,

21 de novembro de 2007 | 04h43

A obra Tres Personajes, de Rufino Tamayo, que foi achada há quatro anos no meio do lixo numa rua de Nova York, foi vendida na terça-feira, 20, por US$ 1 milhão (R$ 2 milhões) durante um leilão de arte latino-americana da casa Sotheby's.  A pintura, realizada pelo artista mexicano em 1970 e roubada há duas décadas, foi posta à venda na sede de Nova York da casa de leilões com um preço estimado de US$ 750 mil a US$ 1 milhão (R$ 1,5 a 2 milhões). Ela era uma das maiores atrações da primeira sessão de vendas de arte latino-americana. O preço final foi de US$ 1.049.000 (R$ 2.098.000). Elizabeth Gibson recuperou a pintura em novembro de 2003, no meio de sacos de lixo que aguardavam na rua a chegada do caminhão dos lixeiros. Entrou em contato com a Sotheby's e a pintura chegou finalmente às mãos de seus proprietários, que tinham comprado o quadro num leilão, em 1977. Tres personajes é considerada uma obra importante de Tamayo (1899-1991) e representativa do período de maturidade do artista, segundo a Sotheby's. O tríptico Et At It, do artista chileno Roberto Matta (1911-2002), com um preço estimado de US$ 2,5 a US$ 3,5 milhões (R$ 5 milhões a R$ 7 milhões), não passou de um lance de US$ 1,75 milhão (R$ 3,5 milhões), e por isso não foi vendido. A pintura Dejeuner sur l'herbe, que o colombiano Fernando Botero realizou em 1969, estava também entre as mais cotadas. Mas o seu preço final foi inferior ao previsto pelos especialistas da Sotheby's. A obra, inspirada no quadro do mesmo título de Eduard Monet, foi vendida por US$ 1,329 milhão (R$ 2,658 milhões). A estimativa era de ficar entre US$ 1,4 e 1,6 milhão (R$ 2,8 e 3,2 milhões). No fim da primeira sessão do leilão da Sotheby's dedicado à arte latino-americana, foram vendidos 72% dos lotes, somando mais de US$ 15 milhões (R$ 30 milhões).

Tudo o que sabemos sobre:
Sotheby'sleilão de arte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.