Tela de Rubens vendida por US$ 76 milhões

Uma pintura recém-descoberta do mestre flamengo Peter Paul Rubens (1577-1640) foi vendida nesta quarta-feira por 49,5 milhões de libras (US$ 76,2 milhões). O Massacre dos Inocentes, pintada entre 1609 e 1611, foi arrematada por um colecinador particular não-identificado num leilão na Sotheby´s de Londres. O lance mínimo era de US$ 9 milhões. Segundo a casa de leilões, foi o preço mais alto já pago num leilão na cidade. O recorde anterior era de Girassóis, de Vincent Van Gogh, vendido em 1987 por US$ 34,6 milhões. A autoria de O Massacre dos Inocentes só foi certificada há poucas semanas, quando o proprietário da tela a levou para que a Sotheby´s a avaliasse. Durante mais de 200 anos, os donos do quadro acreditavam que seu autor era o pintor Jan van den Hoecke. Mas um dos principais especialistas na obra dos "velhos mestres" da Sotheby´s, George Gordon, concluiu que se trata de um trabalho de Rubens. "A chance de ver este trabalho é eletrizante, tanto para colecionadores como para historiadores da arte", disse Gordon. A tela mostra o momento em que o rei Herodes ordena o assassinato de todos os recém-nascidos, supondo que entre eles estaria o Messias (Jesus Cristo). A cena é sangrenta e movimentada. Soldados avançam contra mães e seus filhos pequenos. Corpos de bebês cobrem o chão e um soldado agarra uma mulher idosa pelo pescoço enquanto prepara a espada para trespassá-la. Gordon disse que a pintura pertenceu desde 1920 à mesma família, que a comprou de um marchand. Este, por sua vez, a havia comprado da família real do Liechtenstein, à qual pertencia desde cerca de 1700. Na época desta compra, a pintura era tida como um Rubens da primeira fase, mas, com o passar do tempo, os especialistas passaram a atribuí-la a Van den Hoecke.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.