Divulgação
Divulgação

Teatro Municipal cancela montagem

'O Ouro do Reno' será apresentada em versão de concerto, sem cenários e figurinos; nota alega "razões administrativas"

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2013 | 02h19

O Teatro Municipal de São Paulo anunciou ontem que a ópera O Ouro do Reno, de Wagner, prevista para novembro, será apresentada apenas em versão de concerto - ou seja, sem cenários ou figurinos. Questionada sobre os motivos que levaram à decisão, a Fundação Teatro Municipal disse apenas que ela se deve a "questões administrativas internas". Nos bastidores, porém, fala-se de divergências entre a direção da casa e o diretor cênico André Heller-Lopes.

O Municipal não confirma a informação e, na nota distribuída à imprensa, se limita a dizer que "as datas dos concertos serão as mesmas programadas para as récitas" e que o objetivo "é manter o elenco anunciado em sua integralidade, assim como a direção musical do maestro Luiz Fernando Malheiro". "O público que adquiriu seu ingresso terá a opção de ressarcimento na bilheteria do Theatro Municipal", diz ainda o texto.

Em entrevista ao Estado, concedida por telefone desde Buenos Aires, onde dirige uma produção da ópera Jenufa, Heller-Lopes classificou a decisão do teatro de "inexplicável e lamentável". "Os cenários estão desenhados, os figurinos estão desenhados, já começaram a ser confeccionados. Nem sei o que dizer, mas é realmente uma lástima que a única produção feita por um brasileiro na temporada deste ano seja cancelada dessa forma, por e-mail."

Heller-Lopes fez, desde o início da gestão de John Neschling como diretor artístico, em janeiro, críticas a algumas das decisões do maestro. Em sua página no Facebook, por exemplo, elogiou a atuação de cantores brasileiros na ópera Don Giovanni e chamou de "genéricos" alguns dos solistas estrangeiros convidados pelo teatro - um deles, o tenor Emilio Pons, que atua na temporada atual da ópera Don Giovanni, de Mozart, chegou a questioná-lo na rede social pelo conteúdo do comentário. O post foi apagado em seguida.

O diretor também questionou publicamente, em entrevista ao Estado concedida no começo de julho, a decisão do maestro de não dar continuidade, em 2014, ao ciclo O Anel do Nibelungo, de Wagner, que inclui quatro óperas e tem sido dirigido por ele - em 2011, foi apresentada A Valquíria; em 2012, O Crepúsculo dos Deuses; e, depois de O Ouro do Reno em 2013, a expectativa era de que a ópera restante, Siegfried, subisse ao palco em 2014, encerrando a tetralogia.

O que se diz nos bastidores é que as manifestações públicas do diretor teriam gerado um clima insustentável de trabalho. Mas Heller-Lopes não concorda. "Ainda na semana passada, antes de eu vir para Buenos Aires, deixamos prontas duas das quatro cenas de Ouro do Reno. O projeto cenográfico e de figurino está concluído e, na sexta passada, ele foi apresentado ao próprio Neschling. Acho que aí, nessa conversa, reside a chave de todo esse problema. Nós discordamos e eu não me calei. Eu tenho uma personalidade forte, mas procuro trabalhar com parceiros artísticos e não subordinados. Um teatro como o Municipal é público e não pertence a uma só pessoa."

Sobre suas manifestações na internet, o diretor afirma: "Sempre imaginei que o Facebook fosse um diário livre no qual podia emitir minha opiniões e não aceito que alguém me aconselhe se devo ou não apoiar causas que considero legítimas, o que faço em coerência com a minha trajetória. Tenho quase 20 anos de carreira e minha história foi sempre marcada pelo desenvolvimento de talento local. O espaço dos artistas brasileiros, de nível internacional, foi conquistado a duras penas e não vou aceitar que ser brasileiro e trabalhar no Brasil seja considerado demérito. Minha trajetória foi sempre marcada pela tentativa de dar acesso à ópera e de desenvolver talentos. Mas não excluo artistas de nenhuma nacionalidade, como prova a coordenação de elenco que fiz para a OSB Ópera & Repertório (orquestra baseada no Rio) ao longo desta temporada."

INGRESSOS

O Municipal informa que os

portadores de ingressos que

desejarem pedir reembolso

podem procurar a bilheteria

do teatro pessoalmente ou pelo

telefone (11) 3397-0327

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.