TEATRO LEMBRA SEMANA

O Teatro Municipal de São Paulo fará uma série de apresentações especiais para marcar os 90 anos da Semana de Arte Moderna, que ocupou seus palcos de 13 a 17 de fevereiro de 1922. A programação inclui concertos, recitais, óperas e espetáculos de dança. O objetivo não é recriar fielmente os eventos de 1922, mas, sim, trabalhar em torno dos autores que dela participaram - ou que foram influenciados por suas propostas estéticas.

JOÃO LUIZ SAMPAIO, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2012 | 03h10

No dia 15 de fevereiro, estreia Magdalena, musical de Heitor Villa-Lobos nunca apresentado em São Paulo. A produção vem de Paris, onde foi montada no ano passado, no Theatre du Châtelet. Participam a Orquestra Sinfônica Municipal, o Coral Lírico e Coral Infantil Heliópolis, do Instituto Baccarelli. A regência será do maestro Luis Gustavo Petri, que comanda também um elenco composto por Rosana Lamosa, Luciana Bueno, Rubens Medina, Paulo Queiroz e Saulo Javan, entre outros.

Herdeiro direto de Villa-Lobos, o compositor Mozart Camargo Guarnieri estará presente com a Suíte Vila Rica e a ópera Pedro Malazarte. As duas obras aparecem no mesmo espetáculo: na primeira parte, a suíte inspira coreografia do Balé da Cidade (assinada por Lara Pinheiro) e, seguida, na segunda parte, pela ópera (Cleber Papa, direção cênica, e Carlos Moreno, regência).

No dia 25, o pianista Caio Pagano recupera peças emblemáticas da programação da Semana: dois prelúdios e o Clair de Lune, de Debussy; de Villa-Lobos, o Carnaval das Crianças Brasileiras e o primeiro volume do Guia Prático; e, de Schumann, o Quinteto Op. 44, com participação do Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo.

A Orquestra Experimental de Repertório e o maestro Jamil Maluf encerram a série com um concerto que tem como destaque a oportunidade de ouvir o Momoprecoce, uma das peças mais importantes de Villa-Lobos, pelas mãos de jovens instrumentistas e de um novo talento do piano brasileiro como solista, Pablo Rossi. Maluf comanda também a interpretação do Batuque, de Lorenzo Fernandes, e a Sinfonia Popular n.º 1, de Radamés Gnatalli. Os ingressos começam a ser vendidos no dia 1.º de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.