Teatro é opção para o samba

Quem não gosta de samba, bom sujeito não é, é ruim da cabeça ou doente do pé, diz, com sabedoria, a canção popular. Mas, verdade seja dita, há muitos bons sujeitos por aí que curtem um sambinha, porém detestam a idéia de dividir esse gosto musical com uma multidão de foliões eufóricos e suados. Para esses bons sujeitos, o teatro pode ser um excelente programa de feriadão.No fim de semana do carnaval são muitas as peças em cartaz. Até aí, nenhuma novidade. Mas a boa notícia é que esse ano será possível ir ao teatro também nos dias nobres de folia. E para conferir uma programação da melhor qualidade oferecida pelos grupos teatrais Tapa e Caixa de Imagens.Com sede no Teatro da Aliança Francesa, o Tapa, dirigido por Eduardo Tolentino, vai manter em cartaz também na segunda e na terça duas das melhores peças de seu repertório: Contos de Sedução e A Serpente. O espectador que comprar ingresso para as duas peças tem desconto, seja para um programa duplo, seja para vê-las em dias alternados.Em A Serpente, Nélson Rodrigues fez uma radiografia do desejo. Não por coincidência, o cenário é uma cama. "Nessa peça não se discute o amor, mas o sexo, esse grande pesadelo que é o desejo. O século que passou foi o século da psicanálise; passamos cem anos falando disso e, ainda assim, o desejo continua sendo o nosso inferno", afirma Tolentino.Em meio a esse pesadelo debatem-se os personagens, entre eles Guida e Lígia, duas irmãs que casaram-se no mesmo dia, na mesma igreja e vão viver no mesmo apartamento com seus respectivos maridos, Paulo e Décio. Respectivos por pouco tempo. Guida e Paulo são felizes, ao passo que Décio e Lígia não conseguem realizar o ato sexual. Deprimida, Lígia pensa em suicídio e, para evitar a loucura da irmã, Guida lhe oferece o seu marido por uma noite. A harmonia do casal bem-sucedido começa a ter fim a partir dessa noite.Contos de Sedução, ainda que também explore o desejo com a mesma agudeza de percepção, tem mais leveza. Criado pelo americano radicado no Brasil J. E. Amacker, o texto costura seis contos do escritor francês Guy de Maupassant. "A peça retrata a sedução amorosa em classes sociais diferentes", diz Tolentino. O humor predomina na maioria das cenas, que mostram como pode ser prática e direta a abordagem sexual entre camponeses ou ardilosa e perversa, entre aristocratas.Outra boa opção - desta vez um programa gratuito e que pode ser feito com toda a família - é oferecida pelo grupo Caixa de Imagens, no Sesc Belenzinho. Manipulando bonecos cujos tamanhos variam entre três e 10 centímetros, esse grupo vem encantando crianças e adultos do mundo inteiro. Com duração de apenas três minutos e apresentado dentro de uma caixinha para ser visto por apenas um espectador por sessão, El Cocinero Nervoso, Panqueca Neurótica é um desses espetáculos imperdíveis, que pode ser visto no carnaval. Inspirado no personagem de quadrinhos Obelix, um simpático e gordinho cozinheiro se vê às voltas com uma panqueca teimosa, que parece temer a gordura quente.Dia de Chuva, outro espetáculo do repertório do grupo, é apresentado "fora da caixa", para um grupo de dez espectadores e dura 15 minutos. Tudo começa com os ruídos de um ronco vindos de uma cama de 13 cm. Logo, o público descobre que é o "cobertor" que ronca. A partir daí, vários objetos vão ganhando vida para "contar" uma encantadora história, diante dos olhos invariavelmente deslumbrados da platéia. Um programa que tem tudo para tornar inesquecível o carnaval de qualquer criança.Caixa de Imagens - Dois projetos de manipulação de bonecos: El Cocinero Nervoso. Panqueca Neurótica, com duração aproximada de 3 minutos; e Dia de Chuva, com duração de 10 a 15 minutos cada. Sábado, domingo e terça, das 15 às 18 horas; segunda, das 16 às 18 horas. Grátis. Sesc Belenzinho. Av. Álvaro Ramos, 991, tel. 6096-8143. Até terçaEspecial Tapa no Carnaval. O preço único para cada espetáculo é de R$ 20,00, mas quem comprar ingressos para as duas peças paga só R$ 30,00. Teatro Aliança Francesa. Rua General Jardim, 182, tel. 259-0086. Contos de Sedução. Comédia. De J. E. Amacker. Direção: Eduardo Tolentino de Araújo. Duração: 90 minutos. Sábado, às 22 horas; domingo, às 18 horas; sessões extras segunda, às 21h30; terça, às 19 horas. A Serpente. Drama. De Nélson Rodrigues. Direção: Eduardo Tolentino de Araújo. Duração: 45 minutos. Sábado, às 20 horas; domingo, às 21 horas; segunda, às 19 horas; terça, às 21h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.