Teatro de Sarah Kane é tema de debate em SP

A inglesa Sarah Kane escreveu apenas cinco peças em cinco anos - suicidou-se em 1999 aos 28 anos de idade -, mas ainda assim parece ter deixado sua marca na dramaturgia de idioma inglês. Seus textos já foram encenados em 14 países sempre acompanhados de opiniões contraditórias. Há quem veja muitas qualidades em suas peças, há quem as considere frágeis. Entre os seus fãs, autores como Harold Pinter (Volta ao Lar) e Mark Ravenhil (Shopping & Fucking). Entre seus detratores, muitos críticos ingleses. Hoje à noite, sua obra estará em foco no Teatro Augusta, no evento Sarah Kane e o Teatro Contemporâneo Inglês.A abertura será às 20 horas com uma apresentação de dez minutos da montagem de 4.48 Psychose que está sendo preparada pelo diretor Nélson de Sá, com os atores Luciana Vendramini e Luis Pãetow. Psychose foi a última peça escrita pela autora e tem como personagem uma mulher em profunda dor existencial, algumas horas antes de seu suicídio. O número 4.48 é uma alusão à hora da madrugada em que mais suicídios são cometidos, segundo estatística médica. Sarah escreveu essa peça um mês antes de se matar, na clínica psiquiátrica onde estava internada, por estrangulamento, usando o cadarço de seu tênis. A montagem deve estrear em outubro, em São Paulo.Em seguida, tem início um debate com a mediação do crítico e ator Alberto Guzik, que vai falar sobre a dramaturgia de Sarah Kane, e com a participação de Nélson de Sá. Na mesa de debates estarão ainda a atriz e diretora Haydée Bittencourt, que vai enfocar a dramaturgia contemporânea inglesa a partir da obra de Harold Pinter, e a teórica teatral Maria Silvia Betti, cuja abordagem partirá da relação entre texto e encenação. Também participa do debate a atriz e preparadora corporal Inês Aranha. A entrada é grátis e os ingressos podem ser retirados na bilheteria do Augusta, a partir das 15 horas.Sarah Kane e o Teatro Contemporâneo Inglês. Hoje, às 20 horas. Grátis (retirar convites a partir das 15 horas). Teatro Augusta. Rua Augusta, 943, tel. 3151-4141.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.