Teatro da cidade natal de Pavarotti se chamará Grande Luciano

Para reitor da Universidade de Modena, tenor está no panteão da cidade, com Enzo Ferrari e Ciro Menotti

Ansa,

06 de setembro de 2007 | 15h34

A notícia da morte do tenor italiano Luciano Pavarotti percorreu a cidade de Modena, no norte da Itália, rapidamente. Muitos habitantes, comovidos, se reuniram na manhã desta quinta-feira, 6, na praça principal para comentar o falecimento do ilustre concidadão. O prefeito, Giorgio Pighi, foi um dos primeiros a levar as condolências aos familiares do tenor. Ele anunciou a intenção de colocar o nome de "Grande Luciano" no teatro municipal. Veja também:Morre Luciano Pavarotti, um dos mais importantes tenores da históriaPavarotti, cantor de voz belíssima, com dicção impecávelLuciano Pavarotti, o tenor inconfundível Pavarotti esteve sete vezes no BrasilOs grandes papéis do tenor Luciano PavarottiHistórias pouco conhecidas do fenômeno PavarottiMorte de Pavarotti provoca comoção na ItáliaSempre admirei a voz divina de Pavarotti, diz Plácido DomingoNa infância, Pavarotti sonhava em ser craque de futebolPavarotti - Nessun Dorma   Os Três Tenores - Nessun Dorma  James Brown & Pavarotti  Luciano Pavarotti - Ave Maria - Schubert  Queen + Luciano Pavarotti - Too Much Love Will Kill You  A última exibição de Pavarotti - Torino 2006 per le Olimpiadi  E será a Catedral, patrimônio da humanidade declarado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que abrigará no sábado o funeral do grande artista. "Será feito de um modo que a cerimônia aconteça em um clima de simplicidade", disse o prefeito. Pavarotti sempre manteve um vínculo muito estreito com sua cidade, para onde voltava entre uma turnê mundial e outras. O tenor gostava de falar o dialeto de sua cidade, e propriamente em dialeto respondeu a Pighu que havia ido visitá-lo há dois dias em sua casa. Ele disse "anca me", ao invés de "anch'io", que significa "eu também", respondendo ao prefeito, que lhe havia cumprimentado dizendo que estava feliz ao vê-lo em casa após sua internação em agosto. O prefeito lembrou o "percurso paralelo" do artista. "Além de ter usado seu extraordinário talento para traçar um caminho profundo na arte e na cultura de um século, ele manteve vivo um percurso feito de generosidade, de humanidade e de participação nos problemas e dores do mundo e, em particular, das crianças." Recentemente, o tenor deu uma importante contribuição a uma campanha da Província de Modena para a promoção do território e de seus produtos de excelência, como lembrou o presidente da província, Emilio Sabattini. "O Maestro soube manter a modéstia típica da nossa gente, e como generosidade se empenhou em várias causas humanitárias." "Portanto, Pavarotti está ao lado de grandes personagens de Modena, como Enzo Ferrari, Ciro Menotti, Torquato Tasso, Ludovico Antonio Muratori, personalidades nas quais posso reconhecer o entusiasmo e os traços do talento modenês", afirmou o reitor da Universidade de Modena e Reggio, Gian Carlo Pellacani, acrescentando que "é um momento triste para o ambiente acadêmico e para a cidade. A partir de hoje o mundo da cultura está mais árido".

Tudo o que sabemos sobre:
PavarottiModenaGrande Luciano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.