Divulgação
Divulgação

Te cuida, Lady Gaga

Nem um derrame nem o coração fraco derrubaram o furacão inglês Jessie J

Lucio Ribeiro, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2011 | 00h00

Se a música pop comercial ainda precisa de mais uma cantora feminina forte e rentável na linha Lady Gaga e Katy Perry, sem problemas. A Inglaterra vai colaborar com a garota Jessie J.

E que colaboração! Novo furacão a arrancar de Justin Timberlake elogios do tipo "melhor cantora do mundo hoje", Jessie J tem uma história fulminante a ser contada para quem for atropelado pelo seu sucesso agora em 2011. Histórias essas que vão de interpretações teatrais no West End londrino aos 11 anos, um pequeno derrame cerebral e uma série de problemas cardíacos que (quase) a derrubaram aos 18, além de um single explosivo catapultando sua carreira de compositora pop agora aos 22.

A música, Do It Like a Dude, baba pop que mistura electro, hip hop, R&B e algum rock do jeito que as cantoras americanas sabem bem fazer para vender CDs e música digital, foi lançado como trabalho de estreia de Jessie J em novembro do ano passado. E o estrago foi grande.

A música chacoalhou as paradas europeias, principalmente a britânica. Botou a garota na TV e no topo da eleição de Sound of 2011 da BBC, pesquisa anual publicada pela gigante inglesa das comunicações feita entre críticos musicais e gente da indústria na tradicional caça aos novos talentos de todo começo de ano. Em números destas primeiras semanas de 2011, já computa mais de 10 milhões de visitas no YouTube para seu vídeo.

E rendeu um contrato rápido com selos grandes na Inglaterra e nos EUA para um álbum que tem nome (Who You Are), mas ainda não tem data de lançamento. Antes do CD cheio, Jessie lança mais um single, Price Tag, em março, este já com uma colaboração de peso: o rapper e produtor B.o.B.

Antes ainda, agora em fevereiro, a moça se apresenta com pompas na noite de entrega dos Brit Awards 2011, o maior prêmio da indústria fonográfica britânica, do qual, já foi anunciado, Jessie J ganhou a escolha da crítica.

Nascida Jessica Cornish, a menina começou mostrando um esboço de voz marcante já aos 11 anos no teatro, quando ganhou um papel de cantora mirim no West End em musical de Andrew Lloyd Webber.

O gosto cedo pelos palcos e pela música fez sua família matriculá-la na famosa Brit School, que já teve como alunas Amy Winehouse, Kate Nash e Adele.

A vocação de Jessie J para a música pop se deu, no entanto, na escrita. Em 2009 ela coescreveu o grude comercial Party in the USA, sucesso planetário na voz da ídola teen Miley Cyrus, a Hannah Montana da Disney. A canção atingiu as 10 mais de paradas de oito países.

A partir desse trabalho, o cacife de Jessie J aumentou horrores. E ela passou a colaborar na feitura de canções de nomes como Chris Brown, Alicia Keys, Christina Aguilera e o próprio Justin Timberlake que, segundo Jessie, é um grande incentivador de sua carreira como cantora, logo após seus problemas médicos, há poucos anos.

"Depois do que eu passei resolvi que não podia adiar nenhum passo da minha carreira", disse Jessie ao diário britânico The Times. Ela lamenta que sua condição médica a impeça de chegar perto de bebidas e drogas. "Nem experimentar eu pude ou poderei." Adepta da teoria de viver 80 anos em oito, ou quatro anos de carreira em semanas, Jessie imprime uma velocidade que nem o pop está acostumado a ver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.