Taxista é condenado pela morte do escritor Dias Gomes

O taxista Osias Patrício da Cruz, responsável pelo acidente que matou o escritor Dias Gomes, na noite de 18 de maio de 1999, foi condenado hoje a perda da carteira de motorista pelo período de cinco anos, e a prestação de serviços à comunidade, por crime de homicídio culposo (não intencional). A sentença é da juíza da 2ª. Vara Criminal, Patrícia Alvares Cruz, e ainda não foi publicada no Diário Oficial. Tão logo isso ocorra, o réu terá prazo de 15 dias para recorrer da decisão ao tribunal de Alçada Criminal. Dias Gomes e a esposa voltavam de um teatro e estavam a caminho do hotel. Na avenida 9 de Julho, o motorista fez uma conversão proibida e colidiu com um ônibus. A porta do taxi se abriu e Dias Gomes foi arremessado a distancia, tendo morte imediata. O taxista confessou que fez uma manobra proibida, mas que assim agiu para agradar o escritor que, ordenou-lhe a conversão. O motorista do ônibus, Josias Fernandes de Aquino, envolvido no mesmo processo como co-réu, foi absolvido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.