Reuters
Reuters

Tartaruga africana pega carona em avião do papa

Igreja disse que não estava claro se a tartaruga seria deixada na Angola ou se irá para os jardins do Vaticano

REUTERS

20 Março 2009 | 15h36

O papa Bento XVI voou de Camarões para Angola nesta sexta-feira, 20, com uma companhia de viagem inusitada - uma tartaruga.

 

Veja também:

linkCamisinha piora o problema da aids, diz papa rumo à África

forum Você concorda com a posição da Igreja sobre a camisinha?

video TV Estadão: papa critica distribuição de camisinhas

link Na África, papa dará atenção às guerras, fome e doenças

linkPapa chega a Angola e prega paz na 2ª etapa da visita à África

Antes de deixar Camarões, o papa se encontrou com um grupo de pigmeus Baka, caçadores das florestas tropicais do país. Eles foram à embaixada do Vaticano na capital, Yaoundé, e deram ao papa uma tartaruga de cerca de 30 centímetros de comprimento.

Embarcada em uma gaiola de vime, a tartaruga voou para Luanda na primeira classe de uma aeronave da Alitalia junto com a delegação do Vaticano, sem aparentar desconforto.

O Vaticano disse que não estava claro se a tartaruga - que ainda não foi nomeada - seria deixada na Angola ou se encontrará um novo lar nos jardins do Vaticano.

 

Família

 

O papa exigiu medidas econômicas e legislativas em defesa da família, "que está ameaçada", reiterou a validade do casamento e criticou "a tendência que existe atualmente na sociedade de pôr em questão o caráter único e a missão da família baseada no casamento".

 

Bento XVI fez as declarações no discurso que dirigiu aos bispos de Angola e São Tomé, com os quais se reuniu em seu primeiro dia de estadia em Luanda, segunda etapa de sua primeira viagem à África, que também o levou a Yaoundé, a capital de Camarões.

 

Diante de 25 prelados, reunidos na Nunciatura de Luanda, onde se hospeda durante sua visita, o papa disse que a família "está ameaçada" e é uma das "mais expostas e com maiores dificuldades".

 

"A família tem que ser apoiada, já que à fragilidade e à instabilidade interna de tantas uniões conjugais se une agora a tendência divulgada na sociedade e na cultura de pôr em questão o caráter único e a missão própria da família baseada no casamento", afirmou o pontífice.

 

O papa pediu aos prelados "que levantem a voz" em defesa da vida humana, do valor do casamento e da promoção da família na Igreja, e exigiu "medidas econômicas e legislativas" em favor da família e para a educação dos filhos.

 

Esta foi a segunda ocasião neste primeiro dia em Luanda em que o papa se referiu à família. Diante do presidente da República e do Corpo Diplomático, defendeu essa instituição afirmando que é a base da sociedade e que, sobre a mesma, recai o problema da pobreza, do desemprego e das doenças, entre outras.

 

Bento XVI também criticou o aborto, ressaltando que é uma "ironia" que seja incluído como uma ação de "saúde materna", e que é "desconcertante a tese dos que consideram que a supressão da vida seria uma questão de saúde reprodutiva".

Mais conteúdo sobre:
ODD PAPA TARTARUGA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.