´Tarsila´ chega ao livro com mudanças

Tudo começou com um desafio proposto pelo diretor Sérgio Ferrara e a atriz Esther Góes, em 2001: levar para os palcos a fascinante vida da pintora Tarsila do Amaral e de seus principais amigos, todos expoentes do modernismo brasileiro. A idéia fascinou a dramaturga Maria Adelaide Amaral que, depois de pesquisas e muitas entrevistas, concluiu Tarsila, espetáculo que, após cumprir temporada de sucesso em São Paulo, tornou-se livro pela editora Globo, cujo lançamento ocorre hoje à noite, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional. "Foram sete meses de pesquisa, período em que contei com o apoio da pesquisadora Luciana Chen e com a boa vontade de todos os familiares das personalidades", conta Maria Adelaide. Tarsila retrata os principais momentos da vida da pintora, desde sua volta ao Brasil, em 1922, após temporada em Paris, até sua velhice, 50 anos depois. Trata-se do retrato de sua convivência com outros três importantes expoentes do modernismo: Mário de Andrade, Anita Malfatti e Oswald de Andrade, em que privilegia o "ser humano" em vez do "mito". O envolvimento com os personagens foi tão grande que, quando a tevê Globo solicitou uma minissérie para homenagear São Paulo nos seus 450 anos, Maria Adelaide sugeriu contar a história cultural da cidade por intermédio de personagens-chave, entre os quais Tarsila, Oswald, Mário e Anita e muitos outros - nascia Um só Coração, em que ela divide a escrita com Alcides Nogueira. A visibilidade de nomes ilustres permitiu que novos projetos fossem alavancados. Como a edição do livro Dia Seguinte & Outros Dias (editora Códex), texto de Oswald de Andrade Filho, o Nonê, que nunca fora publicado. A dramaturga modificou também algumas falas de Tarsila, que deverá voltar aos palcos com praticamente o mesmo elenco da minissérie - o motivo foi um alerta de uma pesquisadora da PUC sobre Waldemar Belisário, irmão de criação de Tarsila. "As pesquisas diziam que seu casamento com Pagu foi obrigado, mas fui informada que, além de grande pintor, ele era apaixonado por ela", conta Maria Adelaide. "Assim, na peça e na minissérie, resgatamos sua dignidade como artista."Tarsila. De Maria Adelaide Amaral. Editora Globo, 88 págs., R$ 22. Quarta-feira, às 19 horas. Livraria Cultura/Conjunto Nacional. Avenida Paulista, 2.073, tel. 3170-4033

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.