Tarde de primavera pela noite adentro

Bebel Gilberto faz homenagem ao Rio em DVD gravado no fim de 2012

LAURO LISBOA GARCIA , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2013 | 02h09

Moradora de Nova York há cerca de 22 anos, a carioca Bebel Gilberto representa com sua música para uma geração o que a bossa nova foi para a de seu pai, João. É natural que tenha escolhido o Rio como cenário de seu primeiro e visualmente luxuoso DVD, Bebel Gilberto in Rio, patrocinado pela prefeitura de sua cidade natal e pela Riotur.

Naturalmente também o produto tem apelo "turístico", com imagens deslumbrantes das praias do Arpoador (onde foi armado um palco com cenografia e direção de Gringo Cardia), de Ipanema e do Leblon, numa onírica jornada de uma tarde de primavera pela noite adentro. "Foi um dia muito iluminado, com um sol lindo, no ano passado, não tinha muito vento, nenhum helicóptero passou, não tinha nenhum vendedor de mate ou de abacaxi. Isso ajudou muito também na captação do som. Foi um presente de Deus mesmo", diz Bebel, em entrevista por skype, do Rio. "E ainda fomos abençoados com uma névoa no fim do dia, que começa a entrar em Mais Feliz e é muito lindo, porque foi totalmente inesperado, tanto que morri de frio. Foi o último suspiro do inverno."

A pureza do som impressiona tanto quanto uma certa desconfiança: como foi captada a gravação de voz e dos instrumentos ao ar livre, na beira do mar, perto de uma avenida, numa praia movimentada, sem que se ouça qualquer ruído externo? Nem mesmo o do batimento das ondas e conversas?

"Não posso mentir pra você", diz Bebel. "Os músicos gravaram todas as bases em estúdio e eu cantei sobre playback. Agora, como eles estavam tocando de verdade no dia do show, teve coisa que deu pra captar dali também, como sopros e percussão. Era impossível captar todos os músicos daquele jeito, tanto é que você que nem tem muitos fios no palco."

A voz, garante, é a que foi gravada ali mesmo, live. "Foi mágico. Quando terminou, Liminha (produtor) falou que todas as vozes iam valer. Nem acreditei. Escolhi um microfone de última hora, que estava em casa, no meu estúdio em Nova York, é um Neumann, que não pega tanto a bateria. Foi perfeito, deu supercerto." Ela também tinha gravado as vozes em estúdio, mas diz que se comparar as duas performances, elas são bem diferentes. "Realmente estou cantando ao vivo."

No CD, o show tem uma música a mais do que as 16 do DVD (em que ficou de fora Tanto Tempo, dela e Suba) e a ordem das faixas é diferente, "com uma mixagem do Rodrigo Vidal e uma masterização maravilhosa do Ricardo Garcia e a bênção do Kassin e do Liminha".

Além de participação especial como instrumentistas, Liminha e Kassin, dois produtores icônicos da modernidade de suas gerações do pop brasileiro, assinam a sofisticada produção musical. Os músicos que tocam com ela são Masa Shimizu (violão acústico e baixo elétrico), Jorge Continentino (sopros e violão), John Roggie (teclados), Sacha Amback (teclados), Magrus Borges (bateria) e Marcos Suzano (percussão).

Uma pequena área foi fechada no Arpoador, mas o acesso do público não foi totalmente restrito. "Precisávamos de pessoas sentadas sem se mexer, por quatro horas, o que acabou não acontecendo. Mas quem chegava conseguia entrar, não foi fechado, a gente fez só uma proteção. O barato da história é você ver gente do stand up atrás, gente pegando onda, famílias pegando aquele finalzinho de sol gostosinho com bebê, muita gente vendo da janela de casa... Os vizinhos foram os primeiros a ser convidados, os primos, as primas, minha mãe com olho de estudiosa, tinha de tudo."

O roteiro tem canções selecionadas de seus quatro álbuns oficiais (ela tem mais dois de remixes) e do EP lançado em 1986, do qual recria pela primeira vez Mais Feliz e Eu Preciso Dizer Que Te Amo (parcerias com Cazuza e Dé). Há também um cover do grupo Duran Duran (Rio) e outro de Bob Marley (Sun Is Shining), esse em vídeo gravado em estúdio, além do samba-rap Na Palma da Mão, inédito em sua voz, que ela canta em duo com o autor, o cantor e compositor mineiro Flávio Renegado.

Por coincidência, ou não, Renegado também gravou, no Parque Municipal, em Belo Horizonte, no domingo passado seu primeiro DVD, com os mesmos Gringo, Liminha e Kassin. "Renegado foi tão inteligente que pegou toda a equipe do meu DVD e fez o dele. Não é lindo? Não é incrível? Mas ele merece. Ele é um cara legal, abriu meu show no Central Park."

As letras de parte das canções de Bebel in Rio (como Simplesmente, dela, Didi Gutman e Marius de Vries, e Aganju, de Carlinhos Brown) estão relacionadas à passagem desse período de tempo, entre o crepúsculo e a alta madrugada. Como bônus, há um dueto dela com o tio Chico Buarque, filmado em preto e branco, interpretando um clássico dele, Samba e Amor, que conduz ao dia seguinte: "Eu faço samba e amor até mais tarde/ E tenho muito sono de manhã".

Entre as mais conhecidas de seu repertório estão Samba da Bênção (Baden Powell/Vinicius de Moraes), Bananeira (João Donato/Gilberto Gil) e So Nice (Samba de Verão) (Marcos Valle/Paulo Sérgio Valle/Norman Gimble), que fazem sua ligação com a tradição da bossa nova, em arranjos diferentes das gravações que Bebel registrou em estúdio. Ela vai fazer shows de lançamento do DVD a partir de julho no Brasil e na próxima primavera americana lança outro álbum autoral de canções inéditas, com produção de Liminha e Kassin.

BEBEL

GILBERTO

IN RIO

Artista: Bebel Gilberto

Gravadora: Biscoito Fino

Preço (CD mais DVD):

R$ 69,80

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.