Divulgação/Paulo Emílio Lisboa
Divulgação/Paulo Emílio Lisboa

Tapa comemora 30 anos exibindo panorama de seu teatro

Cia. abre nesta quinta, 21, o 'Panorama - 2.ª Geração' em que as peças são dirigidas por seus atores

AE, Agencia Estado

21 de janeiro de 2010 | 09h04

O Grupo Tapa abre hoje a mostra Panorama do Teatro Brasileiro - 2ª Geração, no Viga Espaço Cênico, em São Paulo. Sete peças serão exibidas até o dia 24 de fevereiro. "Mão na Luva", de Oduvaldo Vianna Filho, inaugura a programação, que terá autores de diferentes épocas: Arthur Azevedo, Nelson Rodrigues, Jorge Andrade, Oduvaldo Viana Filho e Mario Viana.

Não se trata de uma sucessão de peças e, sim, de um conjunto escolhido a partir de critérios definidos. Afinal, ao longo de seus 30 anos de existência, o Tapa construiu uma trajetória premiada e reconhecida sobretudo pela qualidade do repertório, boa parte dele dedicado à dramaturgia brasileira. E carrega ainda a experiência de outras mostras. Esta agora vai tomar também a semana de carnaval, com três peças diferentes por dia, de sábado até Quarta-Feira de Cinzas.

O 1º Panorama ocorreu no Rio, no início dos anos 80, e tinha peças como "O Noviço", de Martins Pena; "Caiu o Ministério", de França Júnior; e "Casa de Orates", de Arthur Azevedo. Após a transferência para São Paulo, no fim da década de 80, o projeto ganhou nova dimensão. "Passamos a ser subvencionados e a ter sede fixa, o Teatro da Aliança Francesa. Isso nos permitiu o 2º Panorama, nos anos 90, com 14 peças", diz o diretor Eduardo Tolentino. Entre elas, grandes produções como "Vestido de Noiva", de Nelson Rodrigues, "Rasto Atrás", de Jorge Andrade, e montagens de câmara como "Corpo a Corpo", de Vianinha, e "Navalha na Carne", de Plínio Marcos.

A extensão no título - 2ª geração - já aponta para o que diferencia a mostra que tem início hoje. Atores que fizeram praticamente toda sua carreira teatral no Tapa, como Clara Carvalho, Sandra Corveloni e Brian Penido, assinam a direção de três espetáculos, "Valsa nº 6", de Nelson Rodrigues; "As Viúvas", de Arthur Azevedo; e "Pedreira das Almas", de Jorge Andrade. "Desta vez, a maioria é de produções ligadas ao Tapa, mas criadas fora do grupo. Mão na Luva foi montada pelos atores (tem concepção e interpretação da dupla Isabella Lemos e Marcelo Pacífico), o que a gente fez foi só uma supervisão crítica durante o processo." Com exceção de As Viúvas e A Moratória (dirigida por Tolentino), as outras são produções independentes, o grupo deu algum tipo de apoio apenas", diz Tolentino. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Programação

Janeiro

Mão na Luva

Hoje, amanhã e sábado - 21 h

Domingo - 20 h

Doroteia

Dias 28, 29 e 30 - 21 h

Dia 31 - 20h

Valsa n.º 6

Dia 30 - 19h30

Dia 31 - 18h30

Fevereiro

Pedreira das Almas

Dias 5, 6, e 12 - 21 h

Dia 7 - 20 h

Doroteia

Dias 4 e 11 - 21 h

Natureza Morta

Dia 6 - 19h30

Dia 7 - 18h30

As Viúvas

Dias 9 e 10 - 21 h

No Carnaval

Dia 13 - Sábado

18 h - Pedreira das Almas

19h30 - Valsa n.º 6

21 h - Doroteia

Dia 14 - Domingo

18 h - Pedreira das Almas

19h30 - Natureza Morta

21 h - Mão na Luva

Dia 15 - Segunda

18 h - Mão na Luva

19h30 - Valsa n.º 6

21 h - Pedreira das Almas

Dia 16 - Terça

18 h - As Viúvas

19h30 - Natureza Morta

21 h - Mão na Luva

Dia 17 - Quarta

18 h - As Viúvas

19h30 - Valsa n.º 6

21 h - Mão na Luva

A Moratória

Dias 18, 19 e 20 - 21 h

Dia 21 - 20 h

As Viúvas

Dias 23 e 24 - 21 h

Tudo o que sabemos sobre:
teatroGrupo Tapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.