TALK SHOW COM MENOS CONVERSA

A conversa vai ficar de lado na nova temporada do talk show Agora É Tarde. Apesar de continuar a receber convidados para bater papo, Danilo Gentili dará mais espaço para novos talentos no programa, que volta à grade da Band na madrugada de hoje para amanhã, à 0h45. Desta vez, o humorista quer até encontrar um novo comediante para o qual, ele promete, ajudará a conseguir uma vaga no Zorra Total, da concorrente.

JOÃO FERNANDO, O Estado de S.Paulo

05 Março 2013 | 02h34

"Eu e o Alex, chefe de roteiro, ficávamos inventando bordões do Zorra nos bastidores. A princípio, pensamos em fazer os esquetes. Mas a ideia evoluiu. Se você tem vontade de trabalhar lá, compre uma peruca, invente um bordão e venha ao programa. Eu me comprometo com a equipe a localizar o (diretor Maurício) Sherman. Vamos insistir para ele contratar o cara com o vídeo", avisa. Uma vez por semana, um candidato terá a chance. "Vamos fazer uma entrevista rápida. Toda quinta, a pessoa ficará no estúdio. Quando ela sentir que tem a deixa, vai olhar para a câmera e falar o bordão. Depois de alguns meses, vamos pegar o melhor."

Entre as novidades está o quadro em que pessoas terão um minuto para fazer performances. "Vamos entrevistar qualquer pessoa com talento bizarro ou inútil", adianta. O elenco da atração terá novas funções. Marcelo Mansfield fará o Mansfield Broadway, em que falará sobre teatro. Até a assistente de palco Juliana Oliveira fará reportagens na rua. "Não tenho problema de os outros aparecerem. O programa é de todo mundo", defende.

Um pouco travado nas primeiras entrevistas, em 2011, Danilo Gentili diz agora saber dar o tom ao fazer graça. "Meu humor tem de ser adaptado todos os dias para cada convidado. Nunca deixei de fazer piada. O que mudou é como eu faço. Com o convidado aberto, faço de maneira escrachada. Com o mais formal, não deixo de fazer, mas adapto para a realidade dele. O cara tem de se sentir confortável", justifica.

O paulista de Santo André se considera menos chapa-branca do que concorrentes como o Programa do Jô. "Temos piadas do dia e damos nome aos bois, não tem esse negócio de não falar para não descer ao nível da pessoa. Nos show business americano, todo mundo fala mal de todo mundo, mas sabe que é show business. Aqui, as pessoas ficam melindradas."

Com a audiência consolidada de 4 pontos no Ibope (cada ponto equivale a 62 mil domicílios), o que tem garantido a longevidade do programa, o humorista afirma que a vida da produção ficou mais tranquila para levar os entrevistados. "Hoje, a gravadora liga, o artista liga para vir. Da Globo, é mais difícil. Fiz um filme com o Bruno Gagliasso. Ele disse que adoraria vir, mas acha que a Globo não libera. Eu sou muito solícito quando o outro canal pede que eu vá. Isso enriquece a TV. Na TV americana, o Conan O'Brien entrevistou o David Letterman. Eles são concorrentes não só de emissora, mas também de horário. Como fã, é o que acho mais legal."

Mesmo com o sucesso da atração, Gentili jura que não está na mira de outras emissoras. "Talvez, na época do CQC, recebesse mais propostas porque era mais barato me levar para algum lugar. Se um dia me quiserem, vou custar um pouco mais. Em segundo lugar, talvez não haja espaço para mim nas outras", analisa ele, que não tem planos de sair do canal. "Hoje, nada me faria mudar. Não exergo outra emissora que me daria a liberdade que tenho."

Ele afirma ter saído do CQC no momento ideal. "Já tinha falado com mendigo e com presidente, apanhei, bati, fui preso", relembra Gentili, que aposta no reforço de Dani Calabresa no humorístico. "A Dani é coringa. Em qualquer coisa ela dá certo, é autêntica e rápida. Se não for lá, ela vai dar certo em outra coisa. O CQC merece um fôlego novo. Ela vai trazer isso", derrete-se. O humorista avalia como boa a saída de Rafael Cortez, que trocou a atração pela Record. "Acho que tem de arriscar. Eu arrisquei muito com esse programa. Todas as vezes em que arrisquei na vida, até o momento, o saldo foi positivo. Se ele sentiu que fez tudo o que poderia ter feito pelo CQC, fez bem. Estou torcendo para que dê muito certo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.