Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Swush

Parábola. Estamos no século 14. A Peste Negra assola a Europa. Uma cidade sitiada resiste ao cerco de forças inimigas, repele todos os ataques lançados contra as suas muralhas e recusa-se a capitular. O comandante das forças sitiantes tem uma ideia. Manda as catapultas lançarem cadáveres dos que morreram da peste por sobre as muralhas da cidade sitiada, para infectar sua população.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2016 | 02h00

E lá vão os cadáveres pesteados.

Swush, swush, swush.

Não dá certo.

– General, os habitantes da cidade estão fugindo dos corpos pesteados.

O comandante tem outra ideia.

– Comecem a catapultar pesteados ainda vivos. Assim eles podem correr atrás dos que fogem.

– Sim senhor.

E lá vão os pesteados vivos.

Swush, swush, swush.

Não dá certo.

– General, os pesteados vivos, debilitados, não conseguem alcançar os que fogem.

O comandante tem outra ideia.

– Preparem os intrigantes.

Uma salva de intrigantes é disparada pelas catapultas sobre a cidade, com o objetivo de espalhar boatos infundados e semear a discórdia entre os defensores.

Swush, swush, swush.

Não dá certo. A resolução dos sitiados continua firme, apesar de as intrigas causarem algumas brigas familiares.

– Mandem os sofistas!

Lá vão os sofistas por cima dos muros, para começar discussões filosóficas sobre a futilidade de resistir, e da existência humana em geral.

Swush, swush, swush.

Não dá certo. A resistência continua.

– Disparar economistas!

Com suas análises e recomendações, em pouco tempo os economistas criarão tamanha confusão na economia da cidade que enfraquecerão sua defesa.

Swush, swush, swush.

Também não dá certo.

– Disparem economistas de escolas diferentes!

Swush, swush, swush, swush, swush, swush, swush.

A ideia é que economistas de escolas diferentes causem uma confusão ainda maior, obrigando a cidade a se render para evitar o caos.

Mas também não dá certo. Não há indícios de desânimo ou rendição. Pelo contrário. Começam-se a ouvir os sons inconfundíveis de um ensaio para o carnaval vindo de dentro das muralhas. Aparece um habitante da cidade acenando uma bandeira. Mas não é um sinal de capitulação. É para fazer um pedido:

– Atirem alguém que toque agogô!

Mais conteúdo sobre:
Literatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.