Surpresas de um maestro

Repertórios conhecidos demais são facas de dois gumes. De um lado, o público já está seduzido antes de soarem os primeiros acordes; de outro, nossos ouvidos já têm incrustadas determinadas leituras e quer vê-las repetidas no palco. Por esses motivos, concertos como o da Orquestra Filarmônica da Radio France, anteontem na Sala São Paulo, sempre correm sérios riscos.

Crítica: João Marcos Coelho, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2010 | 00h00

Primeiro, as boas surpresas. Talvez o maior vencedor seja o maestro coreano Myung-Whun Chung. Aos 57 anos, ex-assistente de Carlo Maria Giulini, um dos grandes regentes do século 20, e dono de vasta e respeitabilíssima discografia, Chung teve o mérito de nos fazer ouvir com atenção e enfatizar detalhes que passam despercebidos após centenas de audições. Como a precisa condução da variadíssima abertura da ópera O Franco-Atirador, de Weber, com enormes contrastes de temas e atmosferas; ou mesmo uma leitura preciosa do Andante da Quinta de Beethoven, graciosamente aberta com os cellos e violas expondo o primeiro tema. A orquestra francesa não é de primeiro time, mas Chung levou-a a um patamar muito bom de execução, o que não é pouco.

Do lado negativo, é inexplicável manter no Concerto n.º 1 de Chopin um pesado exército de cordas esmagando os sopros, sobretudo os pobres pares de madeiras. A delicadeza e o refinamento, aliás rarefeitos no toque de Sergio Tiempo, espatifavam-se contra um paredão comandado por sete contrabaixos. Fica difícil ouvir orquestras tão rechonchudas nas cordas em repertórios como os concertos de Chopin e mesmo na 5.ª de Beethoven, sem levar em conta as conquistas da música historicamente informada. A leveza da escrita pianística de Chopin perdia-se e pode bem ter levado Tiempo, protegido de Martha Argerich, a acentuar demais seu toque. Costuma-se dizer que a orquestra é quase dispensável nos dois concertos de Chopin. Ou seja, não acrescenta muito. Mas, agigantada, pode atrapalhar bastante o solista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.