Luiz França
Luiz França

Surgido na pandemia, Festival Dreamcast apresenta 45 números de teatro musical

Com a participação de mais 60 artistas especializados no gênero, festival terá seis horas de apresentação em três dias

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2020 | 05h00

O teatro musical foi um dos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus justamente por apresentar elencos grandiosos e orquestras, o que impediria o distanciamento aconselhável. Sem perspectivas de retorno (a Broadway, por exemplo, só voltará no ano que vem), profissionais brasileiros decidiram aceitar o convite da produtora Lab Cultural para participar da primeira edição do Dreamcast, um festival que acontece online a partir desta sexta-feira, 18, e se estendendo até o domingo, 20.

Com a participação de mais 60 artistas especializados no gênero, serão apresentados 45 números exclusivos de mais de 30 títulos musicais nacionais e internacionais. No total, serão mais de 6 horas de apresentação, somando os três dias. O espectador poderá acompanhar por meio de uma plataforma oficial do Teatro Riachuelo (www. teatroriachuelorio.com.br) e os ingressos variam entre R$ 15 e R$ 30 – o valor arrecadado será destinado ao Fundo Iasmine, campanha que busca levantar fundos para apoiar técnicos que trabalham nos bastidores do teatro musical brasileiro, cuja fonte de renda foi suspensa por tempo indeterminado por conta da crise do covid-19.

O cardápio é variado, capaz de saciar até o apetite musical mais exigente. Nesta sexta, por exemplo, serão apresentadas canções de clássicos como O Fantasma da Ópera e Les Misérables a mais contemporâneos como Hairspray e Mamma Mia! Sábado é o dia dedicado principalmente aos nacionais, com músicas de Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, As Cangaceiras, Gonzagão – A Lenda e 7 – O Musical, entre outros. Finalmente, no domingo, estão previstos hits modernos como Dear Evan Hansen, Hadestown, Aladdin, Frozen e Hamilton, entre outras.

Para comandar o Dreamcast, o mestre de cerimônia será o ator e cantor Tiago Abravanel, acompanhado dos comentaristas Diego Campagnolli e Paula Flabiann. E o time de artistas traz expoentes do musical brasileiro como Myra Ruiz, Nando Pradho, Fred Silveira, Jeniffer Nascimento, Fabi Bang, Andrezza Massei, Thiago Arancam, Sara Sarres, Ivan Parente, Gottsha, Malu Rodrigues, Diego Montez, Kacau Gomes, Mateus Ribeiro, Letícia Soares, Carol Costa, Thuany Parente, Thiago Machado e vários outros.

“A ideia do Dreamcast surgiu há dois anos”, conta o idealizador, José Toro. “É um projeto que sempre tivemos interesse em realizar presencialmente, mas, diante da situação que estamos passando, acreditamos que seja o melhor momento para lançá-lo e contribuir com o nosso segmento. Ele foi criado para promover uma interatividade com o público, além de ser uma união de forças para auxiliar os profissionais do nosso segmento que nem sempre estão reverenciando o público ao final de um espetáculo, mas é também graças aos seus esforços que se pode realizar a magia do teatro musical.”

O momento é delicado para o setor, que movimenta cifras respeitáveis – uma pesquisa elaborada e coordenada pela Fundação Getúlio Vargas constatou que esse mercado movimentou 12.824 empregos, gerou R$131 milhões em tributos, e trouxe o impacto econômico de mais de R$1 bilhão na economia ao encantar um público de 1.091.673 pessoas pelo País. 

Tudo o que sabemos sobre:
teatrocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.