Surfe, piquenique e nudismo, é Bernard Shaw na web

Milhares de fotografias que pertenceram ao dramaturgo irlandês George Bernard Shaw (1856-1950) começaram a ser vistas pela primeira vez na segunda-feira na página da web do National Trust, entidade que cuida do patrimônio cultural da Grã-Bretanha. Na coleção, com cerca de 20 mil fotos, há imagens de estrelas do cinema como Vivien Leigh, de escritores como H.G. Wells ou J.M. Barrie, ou de líderes políticos e destacadas personalidades da sociedade da época, como a disputada Nancy Astor, a primeira mulher a fazer parte da Câmara dos Comuns no Reino Unido.

EFE / LONDRES, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2010 | 00h00

Apenas um terço do acervo está acessível nesta primeira fase, mas os dois terços restantes devem estar no site do National Trust até meados do próximo ano. Shaw (foto) foi um grande amante da fotografia e cerca de 70% dos registros foram feitos pelo dramaturgo e crítico irlandês, vencedor do Prêmio Nobel em 1925.

Além disso, há recortes de jornais e fotos tiradas nos sets de filmes inspirados em obras de Shaw, como My Fair Lady, baseado em Pigmalião (1913), pelo qual o autor ganhou um Oscar de adaptação de roteiro em 1938.

Há também imagens de muitas de suas obras teatrais, tanto das estreias como dos ensaios, como de César e Cleópatra (1901) e Major Bárbara (1905).

E há ainda recortes de jornais e revistas, negativos e álbuns que ajudam a conhecer melhor a vida do autor e o estilo de vida da época. A instituição trabalha com a London School of Economics and Political Science (LSE) para conservar, catalogar e pôr as imagens na internet.

O National Trust teve acesso ao arquivo fotográfico do escritor porque, ao morrer, ele deixou à entidade sua casa em Ayot St Lawrence, no condado inglês de Hertfordshire.

As fotografias passaram para a LSE em 1979, mas somente agora, depois de concluído o processo de restauração de muitas das imagens que estavam em más condições, uma parte delas foi liberada para o público.

A curadora do National Trust para o leste da Inglaterra, Fiona Hall, assinalou que o mais interessante desses documentos é o fato de mostrarem o contraste entre a figura pública e a intimidade do dramaturgo. "Há muitos retratos dele, alguns são autorretratos, e vários outros foram tirados por seus amigos", afirmou.

Rodin. Segundo ela, as imagens da celebridade mostram uma pessoa séria, que nunca sorri e se veste de maneira elegante; enquanto os instantâneos mais íntimos refletem um Bernard Shaw mais relaxado, fazendo surfe, num pique-pique e adotando poses em que imitava esculturas famosas, como O Pensador de Rodin. Fiona disse que há fotos de Shaw nu na praia, tomadas pela esposa, a também dramaturga Harley Granville Barker.

Na coleção também estão documentadas as viagens pela Europa, Argélia, Nova Zelândia e África do Sul, e evidentemente por seu país natal, a Irlanda. Acervo inclui ainda registros feitos por Lawrence da Arábia (como era chamado o herói militar britânico Thomas Edward Lawrence) durante a Revolta Árabe de 1916-1918. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.