Divulgação
Divulgação

Superprodução 'Batman Live' estreia prometendo show de efeitos especiais

Espetáculo estreou na Inglaterra, em 2011, e inicia no Brasil sua primeira turnê mundial

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2012 | 21h22

Depois de se tornar um ícone dos quadrinhos e de ganhar ótimas versões para o cinema, Batman ataca agora no palco. A superprodução Batman Live estreia nesta quarta-feira, 11, no Ginásio do Ibirapuera, prometendo um espetáculo de luzes, som, 3D e efeitos especiais. “Tudo isso recheando uma história que, acredito, vai prender a atenção do público”, disse ao Estado o produtor executivo Nick Grace. “A sensação será a de que os quadrinhos ganham vida.”

De fato, diante de uma audiência já acostumada a espetáculos mirabolantes em videogames e outros aplicativos da internet, o desafio é surpreender com mais ingredientes. Misto de teatro e musical, Batman Live é um espetáculo europeu que inicia no Brasil sua primeira turnê mundial. E chega com bagagem recheada: 42 atores, 490 peças de figurinos, trilha sonora gravada por 92 músicos, 50 toneladas de equipamento e o que promete ser o grande hit, um batmóvel especialmente construído para o show.

“Nosso batmóvel foi criado por Gordon Murray, um lendário designer de carros, que trabalha na Fórmula-1 (especificamente, na McLaren)”, conta Grace. Segundo ele, o batmóvel exibe um sonar capaz de enxergar no escuro e desviar de obstáculos, além de conseguir atingir uma megavelocidade em apenas dois segundos. “E não se trata de fantasia, mas do resultado de uma pesquisa que busca construir módulos assim.”

 

O espetáculo conta a já conhecida história do bilionário Bruce Wayne que, após presenciar o assassinato dos pais quando criança, resolve livrar Gotham City de seus piores inimigos. Como também oferece cenas de acrobacias circenses, artes marciais e números de ilusionismo, Batman Live pretende unir o tradicional com o moderno. “Isso acontece quando o público visualiza um enorme mapa da cidade de Gotham e, graças ao 3D, os prédios começam a emergir à sua frente”, conta Grace, explicando que, para o efeito, é usada uma tela LED gigante.

Foram dois anos e meio de uma produção mantida em segredo absoluto até sua estreia, no ano passado, na Inglaterra. O desafio, segundo Nick Grace, era criar uma história equilibrada. “Queríamos contar a origem do Batman para aqueles não familiarizados, mas sem ser muito didáticos, o que aborreceria os fãs de carteirinha”, disse. Assim, depois de criar a figura do homem -morcego, Bruce Wayne torna-se tutor do jovem trapezista Dick Grayson, cuja família também foi assassinada - aqui, por meio de uma sabotagem no trapézio. O detalhe serve para explicar os números circenses do show.

Disposta a solucionar esse crime, a dupla dinâmica enfrenta vilões já conhecidos do universo Batman, como Mulher Gato, Pinguim, Charada e, claro, Coringa. Como nos típicos espetáculos da Broadway, Batman Live também é recheado de mistérios em relação aos seus efeitos especiais. Assim como nunca foi divulgado como a Fera se transforma em príncipe diante do público - ponto alto do musical A Bela e a Fera -, aqui também o público será surpreendido por três toneladas e meia de confetes em forma de morcego. Como isso acontece é um dos segredos do espetáculo, que vai viajar ainda para Santiago, no Chile, e Buenos Aires, na Argentina.

BATMAN LIVE

Ginásio do Ibirapuera. Rua Manoel da Nóbrega, 1.361. 4ª a 6ª, 21h. Sáb. e dom., 11h, 15h, 19h.

R$ 60/R$ 300. Até 22/4

 

Herói festeja (prováveis) 80 anos

Batman Live chega a São Paulo quando se comemoram 80 anos da provável primeira aparição do super-herói nos quadrinhos da DC Comics. Não é algo totalmente comprovado, mas se acredita que Batman surgiu pela primeira vez nos desenhos de Frank Foster em 1932. A certeza é que ele apareceu na edição 27 da revista Detective Comics, em maio de 1939, já sob autoria de Bob Kane e Bill Finger.

Tudo o que sabemos sobre:
musicalteatroBatman

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.