Supergrass promete bons momentos no Campari Rock

É mais do que provável que o Supergrass cante Alright no show que fará neste sábado, a partir das23h15, no Campari Rock em Atibaia, a 65 quilômetros de São Paulo Daí que um verso como We are young, we run green pode soardatado quando se passa para o bloco dos trintões e tal... Mas apassagem do tempo não tem efeito pesaroso na evolução do grupoem uma década (tempo também que separa a primeira da segundavinda ao Brasil). A sonoridade que o grupo britânico imprime no novo CD,Road to Rouen (Parlophone/EMI), tem muito dos elementosperseguidos por todas as bandinhas que o sucederam. Mas, mesmocom todo rock, todo dilema, com a cara dura, eles já tinham issode antemão e agora voltam com tudo em cima. Sem perder o vigor,Road revela sinais de maturidade, é firme nos propósitos, tempersonalidade nas letras, na produção, nos arranjos e apóia-seem soluções de aparente simplicidade. O roteiro de canções sugere uma espécie de viagem, nãoapenas por paisagens que alternam de cor e clima, mas pordiferentes texturas sonoras, que incluem cítara, ukulele, sopros cordas, bateria eletrônica.Lado mais denso misturado ao bom humor Há um retorno ao seu lado mais denso, reflexo dosproblemas pessoais que a banda enfrentou nos últimos anos, masnão sem respiros de diversão. Se abre com a pompa de Tales ofEndurance, Pts. 4, 5 & 6 - que começa calma, meiofolk/psicodélica, varia de andamento e timbres até explodir numrock vigoroso -, o álbum equilibra o clima com o humor deCoffee in a Pot. Apenas com um ?hey? pronunciado em diversasentonações e sempre engraçado, Coffee é daqueles temas de popinstrumental kitsch-chique, tipo bossa latina com guitarra desurf music, que se encontra em compilações de coquetel dos anos60. É a mais surpreendente do CD. O contraste também passa pelo tempo de duração. EnquantoCoffee dura menos de 2 minutos, a épica Tales, que remete aLed Zeppelin, com versos pungentes, passa dos 5 e meio. Aquivale um parêntese: testado em vários aparelhos de diferentesmarcas e modelos, o CD apresenta problemas na reprodução destafaixa, em que mais de 3 minutos são cortados no início. Aassessoria da EMI afirma que não detectou defeito algum, masprovavelmente isto é conseqüência do dispositivo de controle decópias que a gravadora adotou contra a pirataria. Enfim,discutir quem está com a razão não vai mudar o destino dahumanidade, mas que tem falha tem. A partir da faixa 2 o CD roda normal. É quando entra St Petersburg, primeiro single e uma das mais belas canções doálbum. Movida por uma certa melancolia, é uma das mais clarasincursões pelo folk, com um adendo exótico: foi gravada numceleiro na Normandia. Outra que não fica atrás pelos mesmosmotivos é Low C, quase perto do fim. Com cerca de 35 minutosde duração, Road to Rouen pode não levar a nenhuma descobertafantástica, mas, com tantos atrativos a cada parada, é daquelesroteiros que dá vontade de repetir com prazer.Campari Rock. Hotel Fazenda Hípica Atibaia. Estrada deGuaxinduva, 1.145, 4412-3000. Sábado, 15h (www.camparirock.combr)

Agencia Estado,

07 de abril de 2006 | 20h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.