Suécia celebra legado de Ingmar Bergman

Estrelas de cinema, políticosgraduados e membros da família real sueca estavam entre aspessoas que celebraram a vida e a obra do notório diretorIngmar Bergman nesta segunda-feira, em uma cerimônia no RoyalDramatic Theatre em Estolcomo. Bergman morreu enquanto dormia em 30 de julho, aos 89 anos.Considerado por alguns como o maior cineasta de todos ostempos, ele produziu 54 filmes, 126 peças teatrais e 39produções de rádio durante uma carreira de seis décadas. O filho mais famoso da Suécia influenciou uma geração dediretores e artistas com um obscuro leque de trabalhos quetratava de tormentos sexuais e a busca de significado na vida. A cerimônia de segunda-feira atraiu uma multidão de cercade 800 pessoas, incluindo o primeiro-ministro FredrikReinfeldt, a ministra da Cultura, Lena Adelsohn Liljeroth, arainha Silvia e a princesa Vitória, além de membros da famíliade Bergman. O evento apresentou leituras dos trabalhos do diretor poratores que trabalharam com ele, incluindo Bibi Andersson,estrela de "Os Morangos Silvestres" e "Sétimo Selo", além dostambém atores Borje Ahlstedt e Pernilla August. Na manhã desta segunda-feira, o governo sueco prometeu 3milhões de dólares para garantir que os filmes e roteiros deBergman sejam preservados. "A rica produção de filmes e dramas de televisão de IngmarBergman compõem uma parte importante de nossa herançacultural", escreveram Reinfeldt e Liljeroth no diário DagensNyheter. Uma vasta coleção de roteiros de Bergman, notas, rascunhose fotografias --considerado pela Unesco como um dos maioresarquivos da história-- é gerenciado pela Fundação IngmarBergman, mas, segundo os ministros, a entidade carece derecursos para digitalizar tudo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.