Sucesso de "Harry Potter" surpreende livrarias

Com 50 livros vendidos em apenas uma hora, o livro Harry Porter e a Câmara Secreta, segundo da série da autora escocesa J. K. Rowling, mostra que as novas aventuras do aprendiz de feiticeiro devem mesmo repetir por aqui o sucesso verificado na Europa e nos Estados Unidos. "Um volume de vendas desse porte nunca ocorreu num sábado de manhã, em dez anos de livraria Saraiva", disse hoje o gerente-operacional da rede, Ricardo Carvalhal, que foi acompanhar de perto o lançamento no Shopping Eldorado. "Em geral, as vendas de manhã costumam ser péssimas e essa quantidade de vendas só se verifica quando o autor vem para autografar."A editora Rocco fez uma grande promoção e espera vender pelo menos 6 mil livros hoje. "Colocamos 12 meninos fantasiados de Harry Potter em diversos shoppings do Rio e de São Paulo e esperamos que toda a tiragem de 100 mil exemplares esteja esgotada em poucas semanas."E não se trata de otimismo de vendedor. As crianças espalham boca-a-boca as qualidades de Harry Porter e o livro está se tornando uma febre também no Brasil. Que o digam os pais, muitas vezes obrigados pelos filhos a correr até a uma livraria atrás das aventuras do menino. "Esse livro parece uma doença", conta Eliana Kaku, mãe de Lucas e Caio, respectivamente com 9 e 7 anos. "Tive de comprar três, um do primeiro e dois do segundo, pois minha sobrinha, do interior, veio passar uns dias conosco e levou o livro com ela, pois não conseguia desgrudar." Eliana conta que lia um capítulo por noite para o mais novo. Quando acabou, surpreendeu o menino lendo sozinho. "Ele lia devagar, mas queria rever a história, influenciado pelo irmão mais velho."Muitas crianças, que jamais haviam lido um livro inteiro, não conseguiram resistir ao fenômeno. "Foi a melhor coisa que eu já li", conta Isabela Neves, 10 anos, atualmente na 4.ª série. Antes de Harry Potter, ela passava suas tardes entre jogos de computador, videogames ou assistindo a desenhos como Pokémon. "A professora recomendou e todos os meus amigos já leram", conta ela. Hoje ela acordou a mãe e, com a cumplicidade do irmão Rodrigo, de 9 anos, exigiu que ela os levasse ao aguardado lançamento do segundo volume.Fazer com que as crianças deixem, ao menos temporariamente, o videogame e a TV de lado para dedicar-se à leitura é o grande mérito das aventuras de Harry Potter. Não é pouca coisa. Tomás Dvorak, de 11 anos, conta que ele e seus amigos do Colégio Porto Seguro passavam as tardes em meio a desenhos (Pokémon principalmente), quadrinhos de super-heróis, videogames e internet."Antes a gente disputava para ver quem fazia mais pontos no game, mas agora a briga na classe é para ver quem acaba de ler primeiro", conta ele.Apesar de ser destinado ao público juvenil, Harry Porter acaba fisgando muitos pais que arriscam uma espiada no livro, para checar o que os filhos estão lendo. Lúcia Cardoso, gerente de banco em Brasília, estava de passagem por São Paulo e aproveitou para comprar o segundo livro da série para o filho de 12 anos. Mas confessou: "Quero aproveitar e ler no avião, pois peguei o primeiro livro meio por curiosidade e acabei não conseguindo largar mais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.