Netflix/Divulgação
Netflix/Divulgação

Streaming: ‘Intimidade’ joga luz sobre a pornografia da vingança

Confira também outras dicas do que assistir nas principais plataformas

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2022 | 03h00

A primeira impressão de quem começa a ver a série espanhola Intimidade, da Netflix, é que estamos diante de mais uma obra sobre política na linha Borgen ou House of Cards. Mas logo no segundo episódio fica claro que se trata de um drama policial denso sobre um tema delicado e que aborda de forma desconcertante o machismo estrutural. O pano de fundo da trama é uma forma cruel de violência de gênero que pode ter efeitos devastadores: a pornografia da vingança. A prática de compartilhamento de gravações ou fotos íntimas com a intenção de prejudicar ou se vingar de alguém é um crime que na maioria das vezes fica impune. Na série acompanhamos a trajetória da vice-prefeita de Bilbao, interpretada por Itziar Ituño Martinez (a Lisboa em La Casa de Papel).

Tratamentos

Itziar é Malen Zubiri, mulher poderosa que se destaca em um universo contaminado pelo machismo e que está em franca ascensão na carreira, até que um vídeo dela fazendo sexo cai nas redes. A trama política fica em segundo plano enquanto acompanhamos a investigação do caso e de outro, que levou uma operária ao suicídio. Em ambos, a vítima é apontada como culpada. Há uma diferença no tratamento dado a homens e mulheres em casos de pornografia da vingança. Intimidade não é baseada em um caso específico, mas em milhares que acontecem todos os dias e muitas vezes nem são investigados.

Amigo Secreto

No momento em que o ex-ministro Sérgio Moro busca um lugar na política brasileira após sair do tabuleiro presidencial, chegou aos cinemas em circuito nacional na semana passada o documentário Amigo Secreto, dirigido por Maria Augusta Ramos – que também assina O Processo, sobre o impeachment de Dilma Rousseff. Os protagonistas do documentário são todos jornalistas: Leandro Demori – que à época era editor executivo do site The Intercept Brasil – e Carla Jimenez, Regiane Oliveira e Marina Rossi, repórteres do extinto El País Brasil. Esse grupo investigou o vazamento de mensagens de integrantes da Operação Lava Jato, que ficou conhecido como operação Vaza Jato, em junho de 2019.

Furo de Reportagem

O filme traz um furo de reportagem: o depoimento inédito de um dos principais delatores da Operação Lava Jato, o ex-executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar. Ele relatou a pressão que diz ter sofrido de procuradores da força-tarefa para envolver Lula (PT) em seu acordo de colaboração. 

Terceira Via

A nova temporada de Borgen, com oito episódios, pode ser vista também por quem não acompanhou a carreira de Birgitte Nyborg, a primeira mulher a chegar ao cargo de primeira-ministra da Dinamarca. Vale a pena aproveitar a continuação para revisitar a melhor série de política desde The West Wing

Articulada, sensata e poderosa, Birgitte Nyborg foi a terceira via que deu certo. A história fez tanto sucesso na Dinamarca que a ficção inspirou a realidade e o país elegeu a primeira mulher para o cargo máximo do país. A série estreou em 2010 e se estendeu até 2013, com 30 capítulos. Borgen foi muito comparada com House of Cards. Existem semelhanças, mas a produção dinamarquesa não apela para tramas policiais e conspirações toscas. É política na veia. 

Fetiche

A série holandesa Disque Prazer, da Netflix, é uma irreverente história de empreendedorismo. Muito antes de surgir a internet, um holandês criou um produto revolucionário e ficou tão rico a ponto de jogar uma Ferrari no mar: trata-se do serviço de sexo por telefone. A história é real, mas a série não é um documentário, e sim uma dramatização que se passa na Amsterdã nos anos 1980.

 

Tudo o que sabemos sobre:
streaming

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.