Stallone critica junta militar de Mianmar por 'indiferença'

Sylvester Stallone, que acabou de fazerum filme em que salva missionários cristãos de um sádico majordo Exército de Mianmar, acusou a junta militar que governa aantiga Birmânia de indiferença diante do sofrimento dapopulação pela passagem de um ciclone devastador. Quase 22.500 pessoas morreram e 41 mil continuamdesaparecidas desde que o ciclone Nargis passou pelo delta doIrrawady, em Mianmar, destruindo povoados inteiros e deixandopelo menos 1 milhão de pessoas desabrigadas. O ator de "Rambo", falando em Tóquio, onde está divulgandoseu filme mais recente da franquia, disse que está claro que ogoverno de Mianmar não estava preparado para a catástrofe. "Recentemente, com este ciclone terrível, vimos como apopulação estava despreparada e está recebendo tratamentoterrível, sofrendo devido à indiferença do governo", afirmou oator em coletiva de imprensa. Mas ele falou com otimismo sobre o potencial detransformações no país, devido à atenção mundial que o desastreatraiu para Mianmar. "Acho que o que vai sair deste ciclone devastador. Nossofilme tornou muito mais aparente a violência sob a qual essapopulação vive, e haverá uma grande mudança social nesse país,porque eles não poderão mais se esconder." Em seu filme mais recente, Stallone, 61 anos, volta arepresentar o veterano da guerra do Vietnã John Rambo, destavez deixando sua vida de aposentado na Tailândia para salvar umgrupo de missionários cristãos das garras de um major doExército de Mianmar. Intitulado simplesmente "Rambo", o filme foi proibido emMianmar, mas é muito procurado em DVDs piratas e clandestinos. Stallone disse que quando decidiu fazer o quarto filme dasérie "Rambo", muito antes dos protestos ocorridos em Mianmarem setembro passado, ele queria chamar a atenção do mundo paraos problemas do país. "O filme está abrindo os olhos das pessoas para osofrimento dessas pessoas pobres em outra parte do mundo. Achoque é muito importante para os EUA entenderem que há muitacoisa acontecendo fora de nossas fronteiras", disse ele. Vários atores de Hollywood, incluindo Stallone e WillFerrell, juntaram-se recentemente a uma campanha em vídeo paraconquistar apoio para a líder democrata encarcerada de Mianmar,Aung San Suu Kyi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.