Stagium comemora 30 anos no palco

Nos anos 70, um grupo de bailarinos que tinha à sua frente Marika Gidali e Décio Otero resolveu guardar as sapatilhas na mala e levar a dança para todo o Brasil. Material de produção e figurinos foram colocados em um caminhão, que percorreu estradas de norte a sul do País, chegando a locais quase inacessíveis, para a época, como o Xingu. Por conta dessa coragem e determinação, o Ballet Stagium completa 30 anos de história. Para comemorar, a companhia estréia nesta sexta-feira, no Teatro Municipal, o espetáculo Pátio dos Milagres (ex-votos).A coreografia fala da devoção, da fé. "É um trabalho que exalta a religião como uma forma de união entre as pessoas" comenta Marika. "Como em peças anteriores, fazemos uma reflexão sobre o tema em cena e sugerimos o mesmo à platéia." As criações do Stagium possuem forte comprometimento com temas sociais, como em Kuarup, que trata da questão indígena."Esse novo trabalho é coerente com a nossa produção, faz uma síntese desses 30 anos do Stagium, como a perseguição de idéias novas, traços da dança contemporânea sem deixar o balé clássico de lado, trazendo elementos do teatro", comenta. O grupo trouxe a dança moderna ao público brasileiro, sendo Maurice Béjart a grande influência.Pátio dos Milagres (ex-votos) traz hábitos, crenças, procissões, cortejos, penitências e promessas realizadas em cada canto do Brasil. Abre espaço para a diversidade cultural brasileira, uma característica da companhia. "Colhemos um material consistente durante as viagens que serviram como a base para a criação dos movimentos. As manifestações de devoção variam de região para região, sendo um campo fértil para pesquisa", avalia. Pátio também terá a estréia de Otero como compositor da trilha do espetáculo.A noite está recheada. Será lançado na cidade o CD-ROM Informação e Memória em Dança no Brasil, organizado pelos pesquisadores da Rede Stagium. A proposta é aglutinar dados, listas com nomes de companhias, coreógrafos, diretores e bailarinos. O projeto foi posto em prática sob a coordenação de Cássia Navas, com a supervisão do Sesc e apoio da Secretaria de Estado da Cultura.A proposta desse CD-ROM é divulgar trabalhos, facilitar o acesso a informações e resgatar a história da dança brasileira que sofre com a escassez de livros e material de pesquisa. Seguindo o mesmo caminho, estará à disposição do público Marika Gidali, Singular e Plural (Senac, 198 págs., R$ 35), de Décio Otero. "No livro traço um panorama da história da dança brasileira, tendo a vida de Marika como foco", comenta Otero."Aproveitamos a ocasião para relançar o site da companhia - www.stagium.com.br - que entrará na rede reformulado. Quem acessar, encontrará a história do grupo, fotos agenda, entre outras coisas", diz Marika. "Pretendíamos lançar um documentário feito por Edgar Duprat, que não ficou pronto a tempo."Após a estréia de Pátio dos Milagres, os meninos do projeto Joaninha, crianças de escolas públicas de São Paulo, sobem no palco do Teatro Mazzaropi, de 15 a 17, para contar a história do Brasil, em Danças na Ilha de Santa Cruz. Domingo a apresentação será na Praça da Paz, no Parque do Ibirapuera. "É um espetáculo que terá como destaque a leitura do Estatuto da Criança e do Adolescente feita pelo poeta Eliakin Rufino. Queremos tornar essas leis conhecidas."Serviço - Ballet Stagium. De sexta a domingo, às 21 horas.De R$ 20,00 a R$ 120,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. 222-8698

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.