Ssssshhh!

Eu sou louco por cinema, doutor. Não há nada que eu goste mais do que estar num bom cinema, acomodado numa boa poltrona, vendo um bom filme. Mas de uns tempos para cá, sempre que vou ao cinema, senta alguém atrás de mim que não para de falar. Comenta o filme, ou então fala sobre coisas que não têm nada a ver com o filme, o tempo todo. E fala alto, além de fazer barulho comendo pipoca ou abrindo pacotes de bala. Desconfio que os cinemas vendam balas nos embrulhos mais barulhentos que existem, justamente para incomodar os outros ao máximo. Já me disseram que as pessoas se acostumaram tanto a ver TV em casa que se comportam no cinema como se estivessem em casa. Mas por que sempre na fila atrás da minha? Não sei, e não quero parecer paranoico, doutor, mas a verdade é que nunca mais vi um filme descansado, numa plateia silenciosa, ou na frente de conversadores que, pelo menos, falassem mais baixo.

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2015 | 02h06

Aguentei durante muito tempo sem reclamar, mas um dia não me contive, me virei na poltrona e fiz "ssssshhh". Era um casal, e a reação da mulher ao meu protesto foi dizer:

- Eu, hein?

"Eu, hein?"! Eu nem sei o que quer dizer isso, mas foi como se ela dissesse "Quem é esse insignificante fazendo 'ssssshhh' pra nós?" E o casal continuou falando e comendo como antes do meu "ssssshhh", indiferente ao meu "ssssshhh". E agora vem a parte estranha, e a razão de eu estar aqui, doutor. Alguns dias depois, fui ao cinema outra vez e na fila atrás da minha sentou-se um casal que começou a conversar em voz alta nos "trailers" e não parou mais. Virei-me para fazer "ssssshhh", decidido a não aguentar mais aquilo - e vi que era o mesmo casal!

Mas como? Eles me seguiam? Descobriam que filme eu ia ver para sentar atrás de mim e testar minha paciência? O que era aquilo? Exclamei:

- Vocês de novo?!

E a mulher: "Eu, hein?"

Outra coisa. As conversas atrás de mim me irritavam tanto que eu nem dera muita atenção à mocinha que sentava na minha frente no cinema e volta e meia ligava seu smartphone, cuja luz refletia na minha cara. No meio do filme, ela consultava o smartphone para ver se tinha mensagens. Depois de descobrir que o casal da fila de trás era sempre o mesmo, prestei mais atenção na mocinha do smartphone. Ela também era sempre a mesma! No dia seguinte, fui a outro cinema e escolhi um lugar na última fila. O casal ficou de pé atrás de mim, sem parar de falar. E a mocinha sentou na minha frente, na penúltima fila, com seu smartphone.

E agora vem o pior, doutor. O senhor não vai acreditar. Nem eu acredito. Passei a ir menos ao cinema e ficar mais em casa, vendo TV. E no outro dia sentei no sofá para ver um filme e ouvi conversa e barulho de pacote de bala sendo aberto atrás de mim. Era o casal. Na minha casa. Não sei como eles entraram - nem eles nem a mocinha que sentou no chão, na minha frente, e ligava e desligava seu smartphone na minha cara.

O que é isso, doutor? É paranoia? E alucinação? É um complô para me convencer que eu sou um desajustado na vida moderna? Que os bárbaros venceram? Me ajude, doutor!

Tudo o que sabemos sobre:
VerissimoO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.