Srur expõe em Santos seu realismo simbólico

A primeira exposição individual do artista plástico paulistano Eduardo Srur, que ganhou, em 1996, o Prêmio Michelangelo de Pintura Contemporânea, entregue no Centro Cultural São Paulo, está aberta na Fundação Pinacoteca Benedicto Calixto, na cidade de Santos, até o dia 5.Eduardo Srur apresenta 13 pinturas de grandes dimensões a óleo sobre tela em que coloca veículos e contêiners isolados no meio de paisagens. Esses dois elementos são, segundo o artista, metáforas para a solidão e uma reflexão sobre a própria pintura. No texto do folder da exposição, Srur afirma que "o conteúdo inacessível das cargas transcende a representação pictórica. Utilizo a pintura como um sistema de representação de idéias. A figuração desse realismo simbólico propõe ao observador um exercício de reflexão."Há sete anos seu trabalho está mais voltado para a pintura. Sua pesquisa foi iniciada em uma viagem ao Peru, quando fotografou algumas paisagens e, depois, as pintou. Desde então, utiliza esse método, mas enfatiza: "O interesse não é somente reproduzir as paisagens." A quase ausência de seres humanos em seus quadros é proposital, pois o artista explica que os próprios veículos, os elementos centrais de suas obras, são os seres. Os contêiners não têm nenhuma relação com o fato de a exposição ser em Santos. "Foi uma coincidência, pois eu já havia começado essa série antes de ser convidado", conta Srur. O convite foi feito pelo fundador da Pinacoteca, Darcy Barros, quando conheceu o trabalho do artista na mostra coletiva Portas Abertas, abrigada em 1999 pela galeria Thomas Cohn. A exposição de Eduardo Srur é a primeira que a Pinacoteca de Santos (Av. Bartolomeu de Gusmão, 15, tel. 13-3288-2260) realiza sobre arte contemporânea.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.