SP sedia encontro de secretários de Cultura

Com a presença dos secretários municipais de Cultura de São Paulo e do Rio de Janeiro, Marco Aurélio Garcia e Ricardo Macieira, e do Presidente da Fundação Cultural do Município de Belém, Márcio Meira, foi aberto na manhã desta sexta-feira o Seminário de Secretários de Cultura,promovido pela prefeitura municipal de São Paulo. O evento teve início por volta das 9h30, com a apresentação da primeira mesa, no auditórioCláudio Abramo, na sede da secretaria paulistana.No primeiro debate, do qual participaram representantes de inúmeras cidadesdo País, foram apresentadas ações de descentralização cultural desenvolvidas pelas secretarias do Rio de Janeiro, São Paulo e Belém. Ao longo do dia, serão realizadas outras três mesas de discussão, nas quaisserão enfocadas as leis de incentivo e os modelos de gestão e ação cultural.Conforme Marco Aurélio Garcia, o evento serve para colocar em contato os agentes políticos culturais eas idéias em curso em diferentes cidades da União.O primeiro a falar foi o Ricardo Macieira, que recentemente assumiu aSecretária de Cultura do Rio de Janeiro. Antes de sua intervenção, osecretário apresentou um vídeo sobre as Lonas Culturais, projeto que visa a aparelhar culturalmente a periferia da cidade desenvolvido pela prefeituracarioca desde abril de 1993. Segundo Macieira, em 1992, antes da primeiragestão de César Maia, 73% dos espaços públicos de cultura estavamconcentrados na zona sul da cidade. As lonas culturais foram criadas paradescentralizar o acesso à arte em regiões onde os espaços de lazer e culturasão restritos. "Trabalhos com três objetivos: resgatar o respeito dapopulação pelo bairro, recuperar o espaço urbano e, nosso grande acerto,envolver a comunidade na gerência do espaço", afirmou.O segundo a assumir a palavra foi Márcio Meira, presidente da FundaçãoCultural do Município de Belém. O administrador também utilizou o vídeo paraexplicar aos participantes como foi a tentativa de aplicação de uma políticacultural democrática na capital do Pará. Meira destacou a realização do 1ºFórum Municipal de Cultura, realizado por sua gestão em 1998, evento quereuniu representantes de diferentes setores da sociedade para propor novasformas de atuação da secretaria. "Foi a primeira vez que as pessoas dacomunidade auxiliaram diretamente na formulação de projetos culturais." Alémdo Fórum, Meira destacou a ampliação dos espaços destinados ao consumo dearte na cidade. "Em 1997, havia apenas um equipamento administrado pelaFundação. Quatro anos depois, já gerimos oito espaços, entre eles a AldeiaCabana de Cultura Amazônica, um grande centro construído na periferia e quehoje abriga diversas manifestações populares, inclusive a a abertura docarnaval."Marco Aurélio Garcia foi o último a falar. Fez uma análise ponderada dodesenvolvimento da política cultural no Brasil, antes de criticar a forma deação do governo Fernando Henrique Cardoso. Segundo ele, o modelo aplicado pelo MinC, baseado em leis de incentivo cultural por meio deisenção fiscal, faz do Estado um financiador de projetos escolhidos pelainiciativa privada. Garcia destacou que em São Paulo, desde o início daadministração de Marta Suplicy, implanta-se um modelo de gestão maispróximo do europeu, pelo qual a secretaria assume o papel de uma "grandeagência de fomento estatal."

Agencia Estado,

26 de outubro de 2001 | 13h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.