Sorrisos

É uma convenção jornalística, não é uma norma, mas todas as pessoas cujas fotos aparecem em crônicas sociais têm que estar sorrindo. Você já notou? As pessoas fotografadas não precisam ser bonitas, se bem que isto ajuda. Não precisam ser muito importantes - notáveis sim, mas não necessariamente importantes. Mas tem que estar felizes.

Verissimo, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2015 | 02h05

A convenção se justifica. Quem quer ver caras fechadas numa crônica social, a seção do jornal em que se comemora o bom convívio humano? As crônicas sociais não tratam apenas de amenidades. Não são só fofoca e badalação. Podem ser informativas, podem até, às vezes, dar furos. Enfim, podem ser sérias. Mas nas fotos ninguém pode ser sério. Nas fotos todos sorriem. Todos.

*

Coisa engraçada, o sorriso. Você já parou para pensar no sorriso? O ser humano faz o contrário de outros bichos, que mostram os dentes para assustar um inimigo ou repelir uma ameaça. Nós mostramos os dentes para provar que não representamos ameaça alguma, que somos pacíficos e simpáticos. Nossos dentes - como os dos bichos - são nossas armas mais evidentes, sem trocadilho. Se a evolução fizesse algum sentido, nós hoje estaríamos mostrando os dentes como fazem os outros primatas, como reação ao perigo ou prenuncio de ataque. Mas em algum estágio da evolução nossos dentes deixaram de ser armas escondidas e se tornaram convites ao diálogo, à amizade e, talvez, ao amor. Só revertemos à nossa origem ao nos atracarmos com uma costela, daquelas de comer grunhindo.

*

Pequeno interlúdio tipo nada a ver. No outro dia revi na televisão o filme Cinderela em Paris (Funny Face). E confirmei: a Audrey Hepburn tinha o sorriso mais bonito da história do cinema, possivelmente da história do mundo

*

Nestes dias que nos assolam é importante encontrar um abrigo das más notícias. Só a cara dos netos não basta como escape e lembrança de que nem tudo escurece e se degringola. A proverbial ilha deserta com meus livros e meus discos é uma possibilidade remota. E, mesmo, não haveria tomada para o som e eu odeio praia. Um retiro espiritual no Tibete? Certo, desde que tivesse um cinema e um bom restaurante por perto. Já que a fuga da realidade é difícil e o longo hábito de ler os jornais não nos abandona, decidi me concentrar no noticiário esportivo. No futebol, apenas o futebol e dane-se a vida. Mas o futebol está em recesso. E quando voltar será o mesmo futebol do ano passado, um martírio e não um esporte. E, ainda por cima, o Botafogo em recesso permanente! Agora, como o futebol não é refúgio, faço o seguinte: leio as manchetes da primeira página, o suficiente para me desesperar, e vou direto para a crônica social.

*

Entende? Peço asilo na crônica social. Sei que lá só encontrarei gente alegre, que, possivelmente, nem sabe o que está acontecendo no resto do jornal e do mundo, ou sabe e não se importa. E continua sorrindo. É fácil fazer amigos na crônica social. A conversa flui, todos se entendem, todos se gostam. Todos tem histórias para contar: de viagens feitas, de livros lidos e filmes vistos, de afetos e desafetos, de bons negócios. Todos são felizes na crônica social! E todos sorriem. Sorriem sem parar.

É nesse país que eu quero morar.

Mais conteúdo sobre:
VerissimoO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.