Soprano tísica

Em algum momento da atual Bienal do Livro de São Paulo se falará da iminente morte do livro e as opiniões se dividirão. Alguns dirão que o livro nunca acabará, e aí estão as bienais, as feiras e as Flips para provar isto, e outros dirão que o livro caminha para a obsolescência e logo estaremos lendo tudo em tabletes, iPodes, iPedes e E-tceteras. Não se chegará a nenhuma conclusão e a conversa será transferida para a próxima bienal.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2012 | 03h08

O escritor americano John Barth não duvida que o livro como nós o conhecemos e amamos acabará, mas nos propõe dois consolos. O primeiro é a história do fim dos dinossauros, cuja existência foi encurtada pelo choque de um asteroide com a Terra, mas ainda viveram 1 milhão de anos entre o impacto do asteroide e sua extinção completa. Nesse período apareceram alguns dos seus espécimes maiores - um bom presságio para a literatura impressa, que pode reagir ao choque da literatura eletrônica produzindo suas maiores obras antes de desaparecer.

O outro consolo sugerido por Barth - um bom romancista e ensaísta com o gosto por jogos de palavras e metalinguagem - é a ópera, que não só é um exemplo de anacronismo que teima em sobreviver como nos fornece outra metáfora para a insistência em viver de um condenado. Geralmente, a melhor ária de uma ópera clássica é a última, quando uma heroína, digamos, à beira da morte ainda encontra força e fôlego para cantá-la. Pensemos no livro, portanto, como uma soprano tísica que ainda nos dará boas surpresas antes do fim.

Barth também poderia ter lembrado o disco de vinil, cuja morte - como se vê, hoje, nas lojas de disco - foi decretada prematuramente. Muita gente está abandonando o CD e voltando para o vinil, o equivalente a largar o tablete e voltar para o livro. E a morte do livro vem senso anunciada há muito tempo. Se você aceitar que a paródia é a decomposição da literatura em estado avançado, e que Don Quixote é um romance inaugural, então você pode dizer que essa conversa da morte do livro começou com Cervantes, há 400 anos. Se resistiu à gozação de Cervantes, o livro resistirá a todos os impactos eletrônicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.