Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Soninho bom

Fecho os olhos pra dormir e a cabeça começa: você não fez exercício hoje, vai ficar gordo, tem que comer de três em três horas e comer mais devagar. Tem que fazer fono para melhorar a respiração e fazer aula de voz para não ficar rouco. Tem que comer menos à noite. Tem que visitar mais a família e os amigos. Tem que assistir aquela série que tá todo mundo falando e que só você não viu. Tem que ler aquele livro que você ganhou. Qual deles? Todos.

Fábio Porchat, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2015 | 02h00

Na estante estão acumulando livros que você se prometeu ler desde 2010. E precisa ir mais ao teatro. E ao cinema. E tem que ir ao médico fazer um check up. E tem que escrever um filme, uma peça e esquetes para o Porta dos Fundos. E tem que ligar pro dentista para saber se o aparelho está pronto.

E a arquiteta? Será que ela já tem previsão de quando termina a obra aqui em casa? Preciso fazer aquele depósito. Preciso atualizar meu celular que ele próprio está insistindo nisso. Preciso organizar as minhas fotos. Estão todas no meu computador. Já tem umas nove mil. E se quebra o computador? Preciso colocar todas as fotos na nuvem.

Preciso tomar mais água. Água emagrece. To gordo. Preciso emagrecer. Vou comer menos e parar de beber. Não posso ficar pedindo entrada e sobremesa em restaurante. Preciso postar nas minhas redes sociais para elas ficarem ativas. Twitter, Facebook, Instagram. Agora tem o Snapchat.

Preciso ir na reunião com o advogado, preciso ir na reunião de criação, preciso ir na reunião com o programador visual. Preciso tirar dinheiro porque eu to sem. Preciso ligar pra minha mãe, minha vó, meu pai, minha namorada, meus tios, preciso marcar de ver os amigos de São Paulo. E os amigos do Rio.

Preciso comprar roupa que eu to sem. Preciso parar de comer carne. Peixe também. E parar com derivados de leite. E preciso ler o jornal. O do Rio e o de São Paulo. E ver meu e-mail. E meu WhatsApp. E cortar essa unha do pé. E a da mão. E perder peso. E fazer o check in do voo de ida para aquele evento em Criciúma que eu vou às 6 h e volto às 9 h. E tirar o visto para a Índia. E fazer a mala. Para a Índia, para São Paulo e não importa para aonde, desde que eu faça uma mala. E preciso dormir oito horas por dia. Ah, tá fácil. Boa noite.

P.S.: Já que você também tá aí, super à toa, amanhã estreia, às 22 h, na FOX, a nova série do Porta dos Fundos. Assiste e me fala o que achou. Chama-se O Grande Gonzalez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.