Sonia Müller reflete sobre o tempo em mostra em SP

O silêncio é para a artista plástica Sonia Müller algo "macio e aconchegante" como as texturas de suas pinturas em preto-e-branco ou em vermelho feitas com bastão de cera de abelha e pigmentos naturais ou o tecido felpudo esticado na entrada da galeria Valu Oria, que traz o desenho de um círculo negro instalado para funcionar contra a luz. Silêncio é, também, o título de sua exposição que será aberta hoje e que reúne obras pensadas a partir do espaço da galeria.Por meio do uso de materiais orgânicos produzidos em Minas Gerais, da presença do óxido de ferro e de objetos como os cubos envoltos por tecido e que comportam folhas secas, Sonia Müller diz que sua intenção é provocar reflexão sobre a passagem do tempo, a "trajetória da vida e da vida de um material". Por meio de uma atitude "minimalista", como analisa a curadora Maria Alice Milliet, a artista quer provocar a interação do espectador. Criou os trabalhos para incitar no observador uma sensação de "pausa entre acordes", essa outra interpretação de Maria Alice Milliet.Sonia Müller. De segunda a sexta, das 10 às 19 horas; sábado, das 11 às 14 horas. Valu Oria Galeria de Arte. Alameda Gabriel Monteiro da Silva, 1.403, tel. 3083-0811. Até 28/9. Abertura às 21 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.