Sônia Braga em Páginas da Vida

Irresistíveis. Além de belíssimas, as próximas personagens do horário nobre têm talentos especiais para as artes. Sônia Braga, por exemplo, vive a escultora Antônia. Todas as peças confeccionadas por ela em Páginas da Vida são, na verdade, criações da escultora Sandra Guinle. Ana Paula Arósio, a beldade principal da história, também é uma amante das artes. Moderna e bem-informada, a jovem Olívia administra uma refinada galeria.A fictícia Academia das Artes é outro reduto cultural da trama, que deve estrear em 10 de julho. Ali, trabalham a professora de dança Elisa (vivida pela bailarina Ana Botafogo), um professor de música (Thiago Picchi) e uma professora de teatro (interpretada por Lígia Cortez, filha de Raul Cortez). Como sempre acontece nas novelas de Manoel Carlos, a história se passa no Leblon, onde estaria localizada a escola. "Só escrevo sobre o que conheço", diz o autor.Questionado sobre a identificação da massa com a seleta classe média carioca, Manoel Carlos responde com a convicção que só a experiência poderia trazer. "Pode ser um pequeno universo, mas ele parece interessar a todos, já que minhas novelas dão muita audiência", garante.A afirmação soaria como arrogante se não fosse absolutamente incontestável. É por isso que o autor, que prometeu se aposentar com Mulheres Apaixonadas (2003), não consegue encerrar a produção.Parte do sucesso de Manoel Carlos se deve à escolha certeira do elenco. Regina Duarte, por exemplo, é uma parceria constante. Pela terceira vez ela vive Helena, nome que sempre designa uma das heroínas principais do autor. A escalação de Renata Sorrah também foi um processo demorado, mas enfim está definida. Em tempos de crises políticas, ela interpreta a juíza Tereza Junqueira Figueiredo, uma profissional incorruptível que julgará bandidos perigosos e sofrerá várias ameaças. A personagem foi inspirada na deputada federal Denise Frossard (PPS-RJ).Realista ao extremo, Manoel Carlos vai aproveitar a onda de violência para simular um arrastão na praia do Leblon. Logo nas cenas iniciais, Helena entra em pânico com a ação dos bandidos. Mais polêmico do que mostrar a batida violência na sociedade carioca, será contar a paixão de um portador de HIV por uma freira (Letícia Sabatella).O elenco traz ainda Regiane Alves, que fez bastante sucesso em Mulheres Apaixonadas como a birrenta Dóris. Louise Cardoso, Natália do Valle, Ângelo Antônio também estão confirmados. Leandra Leal, que pretendia tirar férias da telinha após um exaustivo período de papéis alternados na TV e no teatro, também não resistiu ao convite do autor. Aparece na trama repaginada, com cabelos negros e curtos.O núcleo médico, ambiente recorrente nas histórias de Manoel Carlos, também já está definido. A própria Helena é médica. Nos primeiros capítulos, a estudante Nanda (Fernanda Vasconcellos) é atropelada e levada para o hospital onde a personagem trabalha. Grávida de um casal de gêmeos - um deles, portador de síndrome de Down - a moça morre. Helena consegue salvar os bebês, mas como a criança doente é rejeitada pela família de Nanda, decide dizer que o bebê morreu e adotá-lo em segredo.Matéria alterada em 17/05/06, às 10h35

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.