Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão
Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Sombras, eleições e Peter Pan

A terra do nunca é um não lugar que não existe, mas que, uma vez inventado, existe. Entendeu?

Roberto DaMatta, O Estado de S. Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 03h00

Só Peter Pan conseguia se separar de sua sombra, conforme narrou, num longínquo 1902, James Matthew Barrie num livro originalmente intitulado The Little White Bird (A pequena ave branca). Foi somente em 1906 que surgiu o Peter Pan como um herói infantil que conhece uma “neverland” – um mundo paradoxal do nunca que é inaugurado na cabeça dos ficcionistas. A terra do nunca é um não lugar que não existe, mas que, uma vez inventado, existe. Entendeu?

Ouvi essa história de minha tia Amália, irmã de papai, solteirona e contadora de contos de fadas. Uma pessoa marginal na família extensa na qual cresci e que hoje está nesta imensa terra do nunca ao lado de um monte de meninos com a coragem de enfrentar piratas e dragões; de mocinhas inocentes encantadas por fadas más; de princesas à espera de serem desvirginadas por seus apaixonados e reais consortes. A coragem do menino solitário em busca do seu destino (a sua terra do nunca) sempre me impressionava, tal como o “dragão” que, exatamente como a polícia política ou o radicalismo fanático, está acordado de olhos fechados e dorme quando os abre. 

Se você, leitor, encontrar um dragão, lembre-se dos conselhos de titia: de olhos abertos, dormem, mas de olhos fechados estão mais vivos do que nunca. É nesse jogo de oposições que vivemos o nosso inescapável “aqui e agora”. 

Prisioneiros de nossos sistemas pelo seu lado visível e invisível, estamos sempre preocupados com o que poderá acontecer ou com o que virá de fora de nossos desejos e planos. Na terra do nunca, onde pessoas voam e perigos incríveis são banais – essas terras das fadas, bruxos, princesas e dragões –, as sombras têm vida própria e podem nos enganar porque, tal como o inconsciente freudiano, elas independem de nossos movimentos. Parece o pior da política nacional, não?

Se vamos para a direita, nossa sombra vai para a esquerda e se ficamos parados, elas correm. No mundo real, as sombras são sombras. Na terra do nunca, elas nos irritam com suas vidas independentes.

É o que vamos viver até as eleições que se aproximam. A competição eleitoral traz de volta um mundo de sombras soltas. Ele lembra uma velha quadrinha mineira que bem exprime a ética do ganhar a qualquer custo: “Tu fingiste que me enganaste e eu fingi que acreditei, foste tu que me enganaste ou fui eu que te enganei?”. 

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto da MattaPeter Pan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.