Som livre lança o Escute

No comercial da TV, Gilberto Gil avaliza: "A música é um bem democrático". Na noite da terça, o autor de Pela Internet deu forma concreta à assertiva, apresentando pela rede, ao violão, com o filho Bem Gil, um repertório de clássicos (Drão, Expresso 2222, Realce...) escolhido por 45 mil pessoas que estavam atrás de computadores.

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

Eram os cliques iniciais do portal Escute (www.escute.com), serviço criado pela gravadora Som Livre para disponibilizar para venda seu acervo nacional e internacional, em faixas avulsas e CDs completos, e tentar minimizar os efeitos nocivos da pirataria e dos downloads ilegais. Até amanhã, o acesso a todas as ferramentas do portal é gratuito. O projeto prevê que este se torne o mais completo serviço de música digital do País. A Som Livre ainda não divulgou números das vendas.

A repercussão do show de Gil foi grande nas redes sociais, com internautas fazendo crítica on-line do que viam na tela. Em breve, virão outros artistas: Restart (2/3), Capital Inicial (dia 22), Pitty (12/4) e Luan Santana (data a se confirmar).

Já no próximo, dada a faixa etária do público, o presidente da Som Livre, Leonardo Ganem, espera um público quatro vezes maior do que o de Gil. Os shows são mais um chamariz; o que a gravadora quer é mostrar que pagando pouco é possível ter acesso a um conteúdo que não está dando sopa na internet de forma organizada e, claro, legalizada. Também estão participando as gigantes Sony, Universal e Disney e as independentes Deckdisk e Tratore, que entraram no Escute.

"O Escute é muito mais sobre ter acesso ao artista. No futuro, eu não vou mais vender conteúdo, e sim, acesso", avalia. "Mas enquanto existir download, vai ter pirataria. É difícil competir com o que é gratuito... Ainda assim, acreditamos que daqui a dois ou três anos as pessoas vão consumir tantas faixas no Escute quanto as que compram da Som Livre."

Mais de três milhões de faixas já estão disponíveis. Os modelos de assinatura, que custam entre R$ 4,99 e R$ 14,99, são variados: acesso ilimitado, escolha por gênero, artista ou somente streaming (quando se pode ouvir sem que se tenha feito download).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.